Autoridades prometem prender e condenar autores de estupro coletivo

Captura de tela da TV mostra foto cedida pela polícia de Raphael Assis Duarte Belo, um dos 33 homens suspeitos do estupro coletivo de uma jovem de 16 anos, no Rio de Janeiro (AFP)

As autoridades brasileiras afirmaram nesta sexta-feira que vão “encontrar, prender e condenar” os responsáveis pelo estupro coletivo de uma jovem de 16 anos, em um episódio que chocou o Brasil.

“Aqueles que praticaram este crime atroz serão encontrados, presos e condenados”, afirmou o ministro da Justiça, Alexandre de Morais, em entrevista coletiva no Rio de Janeiro.

As imagens invadiram as redes sociais, deixando um rastro de terror no Brasil: uma adolescente desacordada e nua com seus agressores rindo depois de ela ter sido estuprada por 30 homens no Rio de Janeiro.

Um internauta identificado como “Michel” foi o primeiro a compartilhar o vídeo, que também mostrava detalhes íntimos do corpo da jovem de 16 anos, acompanhado por mensagens dizendo que a menina havia sido “amassada”. “Essa aqui, mais de 30 engravidou (sic)”, foi outra das frases que acompanhavam o vídeo.

O material viralizou nas redes sociais e provocou fortes reações, enquanto a polícia civil disse ter identificado quatro suspeitos de envolvimento no ataque, que ocorreu em 21 de maio no Morro São João, em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio.

A jovem recebeu tratamento médico para prevenir doenças sexualmente transmissíveis e se recuperar dos ferimentos.

“Repudio com a mais absoluta veemência o estupro da adolescente no Rio de Janeiro. É um absurdo que em pleno século 21 tenhamos que conviver com crimes bárbaros como esse”, escreveu no Twitter o presidente interino Michel Temer.

“Mais uma vez reafirmo meu repúdio à violência contra as mulheres. Precisamos combater, denunciar e punir este crime”, escreveu, por sua vez, a presidente afastada Dilma Rousseff.

A divulgação do vídeo gerou uma onda de rejeição nas redes sociais, sob slogans como “Pelo fim à cultura do estupro”. Para esta sexta-feira à noite está sendo organizado um protesto no centro do Rio.

O caso não é isolado no Brasil. Em uma nota publicada na quinta-feira à noite, a ONU Mulheres repudiou o crime e observou que outro caso semelhante ocorreu recentemente no Piauí, com uma jovem de 17 anos que foi drogada e estuprada por cinco homens.

Luise Bello, porta-voz da ONG feminista Think Olga, disse à AFP que “este caso não foge à norma, porque a cultura do estupro é muito forte no Brasil, faz parte do nosso dia-a-dia, mesmo que se negue”.

De acordo com dados compilados pela ONG Fórum de Segurança Pública, em 2014 a polícia brasileira relatou uma agressão sexual a cada 11 minutos no país.

De acordo com estes mesmos dados, apenas 10% dos casos são denunciados às autoridades, e os investigadores estimam que o número real de violações no Brasil pode ser superior a 500.000 por ano.

A questão tem sido debatida desde que o vídeo foi postado na quarta-feira. Ao mesmo tempo, os internautas criticaram fortemente esta semana o fato de o ator de filmes pornô Alexandre Frota, que há algum tempo se gabou de ter violentado uma mulher, ser recebido pelo governo interino no Ministério da Educação.

Muitos também lembraram o episódio de 2014 entre o polêmico deputado direitista Jair Bolsonaro com a deputada Maria do Rosário (PT-RS), a quem disse que não estupraria “porque não merece”. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA