Agropecuária: Aldeia Nova, exemplo da produção nacional

(Foto: D.R.)

Com receitas anuais que atingiram, em 2015, 40 milhões de dólares, a firma Aldeia Nova, com sede na cidade do Waku Kungo, município de Cela, província do Kwanza-Sul, produz, cada dia que passa, 290 mil ovos, 150 mil litros de leite e, anualmente, sete mil toneladas de cereais.

O destaque vai para a produção de milho e soja, o que faz da Aldeia Nova um exemplo quando se fala da diversificação da economia e da necessidade de reduzir a importação de produtos que integram a cesta básica do país.

A firma Aldeia Nova controla actualmente 15 aldeias, e cada uma possui entre 24 e 101 casas. Cada casa possui um aviário com mil galinhas, no mínimo, e 1500 galinhas no máximo. Com excepção de duas aldeias, as restantes produzem ovos diariamente, do que resulta actualmente a produção diária de 290 mil ovos.

exame6A Aldeia Nova é um projecto que envolve uma área de cultivo irrigado com cerca de 10 mil hectares de terra, onde recentemente foram colhidos perto de cinco mil toneladas de milho e 1.200 de soja, num espaço de 1.300 hectares de cultivo. De acordo com o seu director-geral, Kobi Trivizki, “Este é o resultado de uma aposta séria na agricultura para o desenvolvimento da indústria transformadora bem como para a diversificação da economia nacional”.

O director-geral da Aldeia Nova sublinha que os resultados alcançados na área da agricultura, “nunca antes foram vistos nem esperados em Angola, na medida em que foi possível colher cerca de nove toneladas de milho por hectare e outras quatro toneladas por hectare de soja”.

“Tudo isso deveu-se às chuvas e ao clima da região, razão pela qual não foi necessário usarmos o sistema de irrigação para o cultivo durante a época do plantio”. Segundo vaticina, se a produção prosseguir a este ritmo, nos próximos cinco a seis anos “poderemos tornar-nos autossuficientes em termos de produção de milho e outros cereais”.

Produção de ovos e leite

exame10O grupo empresarial agropecuário Aldeia Nova prevê subir a produção de ovos de 290 mil para 400 mil ovos dia a partir do próximo ano, o que constitui um contributo significativo para a diversificação da economia, revelou Kobi Trivizki.

Para o responsável, o actual momento económico e financeiro que o país vive tem criados muitas dificuldades, desde a aquisição de matéria-prima, que tem de ser necessariamente importada, uma vez que Angola ainda não produz os ‘inputs’ necessários, como é o caso de uma parte da ração para alimentar as aves nos seus primeiros dias de vida (pintos). Mas, “mesmo com esta situação de crise vamos aumentar a produção de ovos de forma faseada”, mostra-se confiante Kobi Trivizki.

exame11Para além dos ovos, a Aldeia Nova produz igualmente 300 mil galinhas anualmente, sendo uma parte vendida aos pequenos criadores e a outra, após ter terminado o ‘ciclo do ovo’, é abatida no matador local.

Quanto aos derivados, uma parte é vendida congelada e a outra é encaminhada para a fábrica de refeição completa, onde são produzidos alimentos para consumo imediato, tal como a coxa de frango com arroz, peito de galinha com batatas, coxa de frango com feijão, asa com massa, patas de aves com legumes e miudezas com funje.

A Aldeia Nova comercializa anualmente mais de 300 mil pintos fêmea destinados à reprodução de aves e conta ainda com uma produção anual de três mil rolos de feno (alimentação composta para o gado bovino), a qual é comercializada somente na época seca junto dos pequenos criadores de gado e fazendeiros da região, uma vez que no período do cacimbo a vegetação dos pastos seca por falta de chuvas.

exame7Paralelamente à produção de aves, ovos e ração para a avicultura, a Aldeia Nova produz igualmente cerca de 150 mil litros de leite por dia, que serve matéria-prima para a produção de iogurtes de vários sabores, com destaque para o morango, a baunilha, banana, pêssego e manga, além de queijo e manteiga, entre outros derivados do leite.

A empresa conta ainda com 800 produtores de ovos, perfazendo um total de 5000 colaboradores directos. De 624 agricultores com capacidade de produção, 602 assinaram contratos e trabalham com a empresa e são fornecedores de ovos, leite e galinhas.

Mercado conquistado

exame8A Aldeia Nova já conquistou o seu espaço no mercado nacional, fornecendo grandes superfícies comerciais, nas cidades de Luanda, Benguela, Huambo, Malanje, Sumbe e Gabela, o que permitiu arrecadar em 2015 receitas no valor de USD 40 milhões.

Investimento

O projecto Aldeia Nova já investiu este ano o equivalente em kwanzas a cerca 10,5 milhões de dólares na produção de ovos de codornizes, reabilitação e equipamento das ordenhas para a produção de leite e ainda na montagem de uma fábrica de caixas e cartões de ovos, bem como na preparação de 10 mil hectares para produção de soja e milho, principais matérias-primas para a produção de ração.

Agropecuária em larga escala

exame9O município de Cela, um dos doze que integra a província do Kwanza-Sul, possui os maiores projectos agropecuários do país, destacando-se as empresas Aldeia Nova S.A, Sediac, Agro-Waku, Agro-Cela e Emirais, que produzem em larga escala, contribuindo assim para a diversificação da economia bem como para a redução de importação de alguns produtos da cesta básica nacional. Actualmente estas empresas produzem em larga escala produtos como ovos, cereais diversos e carne bovina.

A avicultura e a aquicultura são uma prática corrente nos diferentes projectos agropecuários. Os da Sediac e da Aldeia Nova, localizados na Cidade do Waku Kungo, município da Cela, e voltados essencialmente para a criação de animais, produção de leite e ovos, constituem um dos motores do desenvolvimento económico e social da região centro sul do país.

Waku Kungo, em homenagem à montanha

A cidade do Waku Kungo, município da Cela, é um dos doze municípios que integram a província do Kwanza-Sul, com mais de 40 anos de existência desde que foi elevada à categoria de cidade, acontecimento anunciado pessoalmente por Camilo Augusto de Miranda Rebocho Vaz, então governador-geral de Angola, determinando a sua ascensão da vila para cidade.

A vila de Santa Comba foi fundada em 1901 pelo comerciante Eduardo Melo de Sousa, que instalou a primeira casa comercial na então Cela Velha, actual sede da comuna de Kissanga Kungo. Em 1926, a vila ganhou a categoria de “Vila Emblemática” em homenagem a António de Oliveira Salazar, que era natural de Santa Comba Dão (Portugal), na altura presidente do Conselho do Estado Novo de Portugal. O objectivo era, naturalmente, valorizar a figura de Salazar.

A concorrência de factores favoráveis como os recursos naturais levou o Estado Português, então potência colonizadora, a reservar parte da região da Cela à fixação de famílias portuguesas. A vila recebeu as primeiras 400 famílias em 1952 e até 1964 já estavam instaladas 2.164 pessoas.

Em 1974, depois do 25 de Abril, a cidade de Santa Comba passou a chamar-se Waku Kungo, acontecimento dirigido pelo delegado do Governo de transição na Cela, Jorge Pedro, em homenagem à montanha “Waku”, adjacente à cidade e ao soba grande da região de nome “Kungo”.

Hoje a cidade do Waku Kungo é uma das mais importantes da província, dado o volume de investimentos que o Executivo tem direccionado para a região, assim como às iniciativas público-privadas existentes.

Geografia da Cela

exame5O município da Cela, apresenta um relevo não estabilizado, variando a altitude de 1200 metros nas terras baixas dos vales, passando por 1300 a 1400 metros nos planaltos intermédio e atinge 2100 metros em alguns pontos isolados. A cidade do Waku Kungo possui ainda uma rede hidrográfica abundante, devendo apontar-se respectivamente, a norte o rio Nhia e a sul o rio Queve que constitui uma extraordinária riqueza no ponto de vista hidroeléctrico.

A região da Cela possui um clima considerado temperado húmido, com um inverno seco, permitindo uma larga gama de espécies vegetais e adaptação de gado oriundo de climas temperados e ate frios, não chove praticamente nos meses de Junho, Julho e Agosto. A estação chuvosa começa em meados de Setembro e prolonga-se até à primeira quinzena de Maio e nela se intercala um curto período seco, em Janeiro e Fevereiro.

O município da Cela, apresenta uma flora de tipo aberta, caducifólia de brachystengia, julbertinia nos sopés dos morros surge, normalmente uma formação arbustiva savanóide e possui uma população estimada em cerca de 300 mil habitantes, com uma densidade de 43 habitantes por quilómetro quadrado. (exameangola)

Por: Borges Figueira


SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA