Abertura dos mercados: Bolsas europeias e euro em alta. Petróleo em queda

(Bloomberg)

As principais praças europeias estão a negociar em alta, à excepção de Lisboa e Milão. A cotação do petróleo está em queda, penalizada pela subida das exportações iraquianas, que agravam o excesso de oferta mundial.

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,27% para 5.038,76 pontos

Stoxx 600 soma 0,01% para 341,50 pontos

Nikkei caiu 3,11% para os 16.147,38 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos seguem inalterados nos 3,175%.

Euro avança 0,06% para 1,1457 dólares

Petróleo em Londres desce 0,97% para 46,91 dólares o barril

Bolsas europeias no verde

As bolsas europeias estão a negociar em alta nesta segunda-feira, 2 de Maio. A excepção é o índice português, que recua 0,27%, e o índice italiano, que perde 0,28%. O Stoxx 600, índice de referência, soma 0,01%. O germânico DAX lidera os ganhos no Velho Continente ao subir 0,45%.

No Japão, o dia foi de perdas, com as acções a recuarem penalizadas pela valorização do iene. Na semana passada, o Banco Central do Japão decidiu manter os estímulos monetários, deixando inalterada a meta para o seu programa de compras em 80 triliões de ienes (648 mil milhões de euros) e a taxa de juro negativa em -0,1% que aplica às reservas dos bancos parqueadas junto da instituição central. Esta decisão está a impulsiona a moeda nipónica. O Nikkei desvalorizou 3,11% e o Topix caiu 3,03%.

Juros inalterados

Os juros da dívida pública portuguesa estão praticamente inalterados no mercado secundário. A dez anos, a maturidade considerada de referência, os juros seguem inalterados no 3,163%. A três anos cedem 3,5 pontos base. E a cinco anos, o segundo prazo que está a negociar, os juros somam 0,8 pontos base para 1,925%. No caso da dívida alemã, as “yields” descem 1,3 pontos base para 0,258%. O prémio de risco da dívida pública portuguesa está nos 287,4 pontos.

Euro em alta. Iene em máximos

A moeda da Zona Euro está a apreciar em relação ao dólar. O euro soma 0,06% para 1,1457 dólares. Em destaque no mercado cambial está ainda a moeda japonesa, o iene. De acordo com a Bloomberg, o iene negociou esta segunda-feira em máximos de 18 meses depois de o Banco do Japão ter mantido os estímulos monetários, deixando inalterada a meta para o seu programa de compras em 80 triliões de ienes (648 mil milhões de euros) e a taxa de juro negativa em -0,1%.

Petróleo em queda

Os preços do petróleo estão a cair nos mercados internacionais, numa altura em que as exportações petrolíferas iraquianas atingiram um nível máximo em Abril, adensando assim o excesso de oferta mundial de petróleo. Segundo a Bloomberg, no mês passado, o Iraque, excluindo as vendas do Governo Regional do Curdistão, enviou 3,36 milhões de barris por dia. O West Texas Intermediate desce 0,68% para 45,61 dólares por barril. O Brent do Mar do Norte, que serve de referência para as importações nacionais, desvaloriza 0,97% para 46,91 dólares por barril.

Cobre em queda

Os futuros do cobre para entrega em Julho estão a cair, numa altura em que os investidores avaliam as perspectivas de estímulos na China. Os futuros do cobre deslizam assim 0,18% para 227,95 dólares.

Destaques do dia

Englobar capitais, mais-valias e rendas no IRS é agora mais vantajoso. Se tem dividendos, juros, mais-valias e rendas, vale a pena fazer as contas para saber como tratá-las na 2ª fase do IRS. As regras do englobamento mudaram, alargando o potencial de vantagem face à taxa dos 28%.

Senhorios: um guia para preencher o IRS. A segunda fase das declarações de IRS iniciou-se neste domingo, 1 de Maio, e terminará a 31. Será neste período que os senhorios, ainda que tenham também rendimentos do trabalho ou pensões, deverão entregar o IRS. Este ano há regras novas. Faça uma visita guiada.

Ulrich desarma razões de Isabel dos Santos. Os argumentos de Isabel dos Santos para o fracasso do acordo que resolvia o problema do BPI em Angola não têm razão de ser. Foi esta a mensagem de Ulrich na apresentação de contas. Até o Governo aprovou o diploma da desblindagem estando a par dessas posições.

Guia para acompanhar os resultados trimestrais do BCP. Nos primeiros três meses de 2016, os ganhos do BCP com operações financeiras não foram tão grandes como um ano antes. Um factor que pesará nos resultados, apesar da esperada quebra das imparidades.

O que vai acontecer esta segunda-feira

Resultados do BCP. O BCP divulga as contas do primeiro trimestre. De acordo com as estimativas do CaixaBI, o banco terá registado uma queda de 38,6% dos lucros para 43,3 milhões de euros.

Compras do BCE. O Banco Central Europeu divulga dados mensais do programa de compra de activos.

Produção industrial. Será conhecido o índice PMI da Markit para a indústria, relativo a Abril, na Zona Euro e EUA. (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA