Ser líder do PSD? Maria Luís Albuquerque não exclui candidatura

(Reuters)

A ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque não excluiu, numa entrevista ao DN, a possibilidade de suceder ao líder do PSD, Pedro Passos Coelho, na presidência do partido, apesar de garantir que não tem vontade de avançar.

“Relativamente a matérias dessa natureza não se deve dizer nunca. Depende muito das circunstâncias. Se me pergunta se tenho vontade ou se tenho essa intenção, não a tenho, mas nestas matérias afirmações absolutas de nunca parecem-me contraproducentes”, disse Maria Luís Albuquerque na entrevista, publicada na edição de hoje Diário de Notícias

A deputada social-democrata lembrou que a questão da sucessão de Passos Coelho “não está em cima da mesa”, sublinhando ser “um hábito pouco saudável em relação a líderes que acaba de ser reeleitos com uma maioria esmagadora estar já a falar de quem é que os sucede”.

Em relação ao programa do atual Governo, Maria Luis Albuquerque salientou que a maior preocupação do PSD é a “falta da qualidade das políticas”, que se reflete “não só numa estratégia que é errada, como na inconsistência e na incapacidade para serem atingidas as metas, com as consequências que isso traz”.

Para a vice-presidente do PSD, apenas com três meses de execução orçamental já existem “vários sinais preocupantes”, um dos quais o crescimento dos pagamentos em atraso, situação que considerou revelar “descontrolo e uma provável inconsistência entre as metas traçadas pelo orçamento e aquilo que são as necessidades dos diversos setores”.

Em relação à polémica que ficou conhecida como caso Arrow, a empresa com a qual aceitou colaborar, Maria Luis Albuquerque disse ter aceitado o convite porque lhe pareceu interessante a possibilidade de ter “uma experiencia nova e de aprender muitas coisas”.

“Quem está na vida política tem de estar preparado para o impacto das suas decisões e para sentir críticas e, portanto, isso é uma coisa que vem no pacote. Faz parte. (…) A questão de ‘em política o que parece é’, é uma citação de Salazar, e eu, citações de Salazar, não aprecio. A questão foi colocada logo de início de forma errada, primeiro revelando uma enorme ignorância sobre o que é a atividade de uma empresa destas e até de um princípio errado que era uma atividade que eu teria tutelado enquanto ministra das finanças”.

Em relação ao Banif, Maria Luis Albuquerque reconheceu que o governo PSD, quando cessou funções, estava “muito confiante” de que o plano de reestruturação delineado teria para os cofres do Estado “um impacto que seria uma pequena parcela daquilo que foi efetivamente”.

“O que aconteceu no fim, foi uma surpresa e é uma matéria que tem de ser esclarecida”, salientou.

Maria Luis Albuquerque disse manter a confiança no governador do Banco de Portugal, reconhecendo que a manutenção da confiança num regulador, “com a importância do banco central, é um elemento fundamental da própria estabilidade financeira”.

A ex-ministra das Finanças sublinhou ser da responsabilidade de todos os atores políticos “não colocar em causa o regulador do setor financeiro” se a preocupação em causa é a questão da estabilidade.

Quanto à criação de um banco mau para concentrar o crédito mal parado, à semelhança do que aconteceu em Espanha e Itália, Maria Luís Albuquerque disse não lhe parecer urgente a existência “de um veículo dessa natureza”, dado que aquilo que o sistema financeiro diz “repetidamente é que não há procura de crédito de qualidade para que ponham os fundos disponíveis ao serviço do investimento”. (Noticias ao Minuto)

por Lusa

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA