Rafael Marques apresenta queixa contra genro do Presidente angolano

Jornalista Rafael Marques (PAULO CUNHA/LUSA)

Jornalista angolano avança com queixa por difamação e calúnia contra o empresário Sindika Dokolo, casado com a empresária Isabel dos Santos.

O jornalista angolano Rafael Marques enviou terça-feira, por correio, uma queixa por difamação e calúnia contra o empresário Sindika Dokolo, genro do Presidente de Angola, disse à Lusa fonte ligada ao processo.

De acordo com o documento, que deverá ter dado entrada hoje no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Ministério Público do Distrito de Lisboa, a queixa de Rafael Marques refere-se à entrevista do empresário Sindika Dokolo ao Jornal de Negócios, publicada no dia 23 de fevereiro.

A queixa baseia-se em acusações proferidas por Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos, filha do chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, que apontou Rafael Marques como um “testa-de-ferro” de uma estratégia de “desestabilização”.

“Estas palavras de Sindika Dokolo dizem que o aqui queixoso não tem ética, é incompetente e um testa-de-ferro de forças antidemocráticas (porque querem tomar o poder sem ser por eleições). Ou dito de outra forma, Sindika imputa a Rafael Marques as seguintes características: falta de ética; incompetência; ser testa-de-ferro; prosseguir valores antidemocráticos”, indica o documento, referindo-se à entrevista do empresário.

Segundo a queixa, a entrevista em causa é realizada a um meio de comunicação social português, poucos dias depois de ser conhecida a queixa-crime que Rafael Marques apresentou em Angola contra Sindika Dokolo “por burla e esbulho de terras do Estado” angolano.

O documento da queixa, entregue no DIAP, e divulgado ontem na Visão ‘online’, sublinha ainda que Rafael Marques é um jornalista e um ativista de Direitos Humanos que vê a sua “reputação e credibilidade” atingidas ao afirmar-se que é incompetente e que tem falta de ética.

Ao afirmar-se que é “testa-de-ferro de interesses não identificados e antidemocráticos”, acrescenta o texto, ofendem-se as “credenciais democráticas e de defesa dos direitos humanos” de Rafael Marques.

“Acresce que estas afirmações foram feitas perante um órgão de comunicação social, que em todo o caso não é o responsável nos termos da Lei de Imprensa, porque se limitou a reproduzir as palavras de Sindika (Dokolo)”, conclui a queixa que foi enviada ao DIAP, em Lisboa. (TVI24)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA