Presidente da República inaugura produção de milho na Quiminha

Presidente da República,José Eduardo dos Santos, visita projecto integrado da Quiminha (Foto: Pedro Parente/Arq)

O Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, procedeu hoje, segunda-feira, à abertura oficial da produção do milho no Projecto Integrado de Desenvolvimento Agrícola da Quiminha, localizado em Luanda.

Na presença do Vice-Presidente da República, Manuel Domingos Vicente, e do ministro da Agricultura, Afonso Pedro Canga, José Eduardo dos Santos colocou as primeiras sementes de milho na semeadora para o arranque do processo, que abrangerá uma área de 130 hectares para a produção deste cereal.

O Presidente José Eduardo dos Santos observou as máquinas disponibilizadas para o referido trabalho e recebeu informações de técnicos ligados ao projecto.

Na ocasião, o ministro da Agricultura fez uma incursão ao projecto desde a sua concepção até ao momento actual, tendo destacado o empenho do Estado angolano.

“A nós cabe a responsabilidade de continuar a acompanhar este projecto, mas a grande responsabilidade é dos agricultores familiares e empresariais, para que os propósitos pelos quais o Presidente aprovou este projecto, venham a ser atingidos com sucesso, produzindo alimentos para as famílias e criando empregos”, disse.

José Eduardo dos Santos já deixou o local, no termo da jornada de campo de aproximadamente hora e meia.

Iniciado em 2012, o projecto compreende uma área de cinco mil hectares entre as comunas de Cabiri e Bom Jesus, localizadas a cerca de 60 quilómetros a norte de Luanda, e a cada família de camponeses serão atribuídos 3 hectares de terra para cultivo.

Além da produção agrícola preconiza-se a produção de 22 milhões de ovos e vários tipos de vegetais em grandes quantidades (aproximadamente 25 mil toneladas de produtos por ano) cuja produção arranca dentro de seis meses, dentre eles tomate, cebola, pimento, milho doce, quiabo, beringela, feijão verde, repolho, alface, melão, cenoura, melancia, soja, batata, repolho, doce, sorgo e soja.

O referido projecto que foi aprovado em Conselho de Ministros em 2010, visa impulsionar o desenvolvimento económico e social da região da Quiminha, através de investimentos em infra-estruturas, exploração agrícola familiar, criação de empresas de produção intensiva e instalações industriais de apoio à produção agrícola.

No local estão a ser construídas infraestruturas para o sistema de captação, transporte e abastecimento de água, um centro logístico e redes viária e eléctrica, bem como 300 casas para produtores familiares e 10 casas para professores, técnicos agrícolas, enfermeiros e um Centro de Formação e Gestão Agrícola.

Em construção está também um centro social integrado de escola, posto médico, jardim-de-infância, instalações desportivas e instalação de apoio à produção constituído por oficina, armazéns, pavilhões de hortícolas e de selecção e empacotamento de produtos.

Estão ainda em construção duas naves indústriais com a capacidade para a criação de 15 mil aves, cada uma, e mais três naves que permitirão produzir 22 milhões de ovos por ano.

As obras do projecto estão a cargo do grupo Tahal que é o maior consultor de engenharia de Israel e encontra-se em seu género entre as 100 companhias mais importantes do mundo e goza de renome internacional baseado no elevado nível de seus serviços em sua vasta experiência e compromisso direcionado à qualidade e excelência, respaldo pelo cumprimento das exigências de norma mundial.

Os campos de actividade da Tahal estão versados em recursos hídricos e abastecimento de água, desenvolvimento agrícola, comercialização, sistemas de águas servidas, engenharias ambiental, civil e infra-estrutura, industrial e energia, reabilitação de sistemas de água e esgotos bem como sistemas de informação geográfica. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA