Política externa pode ter guinada com Serra

sil247)
(Bra

Cotado para assumir o Itamaraty, o senador José Serra (PSDB-SP) vê com ressalvas o modelo atual do Mercosul, que, segundo ele, impediria o Brasil de fechar acordos comerciais com outros países; “No mundo, nos últimos dez ou 12 anos, houve 500 acordos bilaterais. Mas o Brasil fez três: com Israel, Egito e Palestina, e esses dois nem foram ainda postos em prática”, disse ele, durante a campanha eleitoral do ano passado; Serra também defende um outro modelo para o bloco que reúne Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela; “O que se passa é que quiseram fazer uma união aduaneira e tampouco fizeram bem uma zona de livre comércio”; com Temer e Serra, o foco maior da política externa, ao que tudo indica, será a aproximação com os Estados Unidos.

A eventual escolha do senador José Serra (PSDB-MG) para o Itamaraty, caso Michel Temer de fato assuma a presidência da República, representará uma guinada na política exterior brasileira, atingindo sobretudo o Mercosul.

Isso porque Serra já se manifestou por diversas ocasiões contra o modelo atual do bloco aduaneiro que reúne Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela. “No mundo, nos últimos dez ou 12 anos, houve 500 acordos bilaterais. Mas o Brasil fez três: com Israel, Egito e Palestina, e esses dois nem foram ainda postos em prática”, disse ele, durante a campanha presidencial do ano passado.

Ele também critica o modelo atual do bloco. “O que se passa é que quiseram fazer uma união aduaneira e tampouco fizeram bem uma zona de livre comércio”, afirmou Serra, que também se posicionou de forma contrária ao ingresso da Venezuela no Mercosul.

Serra defende que o Brasil busque acordos de livre comércio com mercados mais desenvolvidos, como Estados Unidos e União Europeia – o que significa uma reversão da política Sul-Sul implantada pelo ex-presidente Lula e pelo chanceler Celso Amorim. Um dos feitos dos quais Lula mais se orgulha foi ter dado fim às discussões sobre a criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), que, segundo ele, era um projeto de “anexação”.

Com Temer e Serra, o foco maior da política externa, ao que tudo indica, será a aproximação com os Estados Unidos. (Brasil247)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA