Paz proporcionou desenvolvimento do sector da Saúde na Ganda

(DR)

A paz conquistada em 2002 no país, proporcionou o desenvolvimento do sector da Saúde no município da Ganda, província de Benguela, com melhoria significativa da assistência medicamentosa e criação de novas infra-estruturas sanitárias na ordem de 70 porcento, afirmou o director da Repartição Municipal da Saúde, Albano Weia.

O responsável que falava a Angop, destacou a construção de postos de saúde, centros médicos extensivo as quatro comunas e algumas povoações do município, a reabilitação e apetrechamento do hospital municipal e a colocação nessas unidades sanitárias de ambulâncias.

“Até aos anos de 90 não havia uma ambulância a nível das comunas e com a paz tornou -se possível ter um meio rolante em cada uma destas localidades, a julgar pelo número de técnicos de saúde e médicos angolanos de especialidades a prestar serviços nessas unidades”, disse.

Revelou que, o hospital municipal da Ganda, possui agora sete médicos nacionais, com formação académica e técnica profissional, para a elevação da superação permanente dos quadros do sector, que contribuem para o perfil técnico da carteira do enfermeiro mais aceitável.

Considerou que, com a abertura das vias de acesso, a actual rede sanitária que antes de 2002, era de 10 postos de saúde, passou para 34 unidades e é extensiva as áreas antes recônditas, permitindo aproximar os serviços de saúde das comunidades.

O responsável deu a conhecer que, o sector da saúde na Ganda, conta actualmente com 22 técnicos superiores de saúde formados em diversas especialidades, como analistas de clínica, médicos, psicólogos, fisioterapeutas e outros cujo impacto contribuiu na evolução aceitável e na melhoria no atendimento e assistência aos pacientes.

O director defendeu por outro lado, o investimento no capital humano e da colaboração da comunidade na melhoria do saneamento básico do meio ambiente.

Para si, a criação de uma escola de formação técnica média de saúde no Cubal/filial de Benguela, que já formou mais de 80 jovens locais vocacionados em enfermagem e a construção da repartição municipal da Ganda, que antes funcionou em instalações impróprias, fazem igualmente parte dos benefícios da estabilidade observada desde 2002 no país.

Albano Weia que defendeu ainda a abertura de concurso público, para cobertura total da rede sanitário local, referiu que funciona também no município um núcleo de formação técnico de saúde, onde 153 pessoal básico ou auxiliar de enfermagem tiveram superação técnico-profissional ao nível médio.

Por seu turno, no município do Lobito (Benguela), o jurista Mateus Barros, apontou a clínica pública de Hemodiálise do hospital geral local, vocacionado para o tratamento de pessoas com o problema de insuficiência renal, como um dos resultados dos ganhos em 14 anos de paz na região.

“Na época da guerra para as pessoas serem tratadas do problema renal era necessário deslocar-se para o exterior de Angola, o que agora é uma realidade no nosso país”, frisou afirmando que tem se constatado que pessoas de províncias distantes têm escalado a cidade do Lobito a procura de cuidados médicos, uma oportunidade que deve ser reconhecida por todos.

A existência dos Institutos Superiores Politécnicos, Católico e da Lusíada, bem como o Instituto Médio Politécnico, construído para formação profissional, realçando o ramo de petroquímica, constam igualmente d ganhos da paz segundo o responsável.

Sublinhou que, a modernização e ampliação do Porto Comercial do Lobito com equipamentos de ponta e o crescimento das infra-estruturas no ramo hoteleiro, o que proporcionou emprego a milhares de angolanos por quase todo o território. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA