Papéis do Panamá: quando a mulher do presidente do Parlamento é afinal testa-de-ferro

Bukola Saraki. (Fonte: Reuters)

Documentos da Mossak Fonseca mostram que Toyin Ojora-Saraki, a mulher do presidente do Parlamento nigeriano, não é a verdadeira dona dos negócios.

Toyin Ojora-Saraki é a mulher de Bukola Saraki, o presidente do Parlamento nigeriano e assina vários documentos relativos a negócios no estrangeiro. Mas a maior fuga de documentos de que há memória, conhecida como Papéis do Panamá, mostram que ela é, na verdade, a testa-de-ferro dos negócios do marido.

Os documentos da Mossack Fonseca mostram que os ativos detidos em paraísos fiscais por Toyin Ojora-Saraki são, na verdade de Bukola, o marido, que é o terceiro homem mais poderoso da Nigéria.

Uma análise inicial dos documentos mostra que Saraki não revelou quatro ativos que constam como propriedade da mulher num offshore, o que viola o código de conduta da Nigéria. Em resposta às notícias divulgadas pela imprensa nigeriana, Bukola Saraki garante que os ativos são pertença do espólio da família da mulher e que a lei não obriga a declará-los. Mas os documentos da Mossak Fonseca sugerem que os ativos são mesmo Bukola.

Uma dessas empresas em nome de Toyin é a Sandon Development, um veículo usado para comprar um imóvel numa zona nobre de Londres, em 2012. Entre os acionistas da empresa está Babatunde Morakinyo, um assessor pessoal de longa data e amigo pessoal de Bukola .

Ainda em 2012, em abril, quando ainda era governador de Kwara, Bukola descreveu-se a si próprio como o proprietário do referido imóvel em Londres. Ele assina mesmo uma licença para os inquilinos realizarem alterações na propriedade.

Outra das empresas é Renocon Property Development. Foi da Renocon que Toyin, como “proprietária” da Sandon comprou a propriedade em Londres. Os documentos do panamá mostram então que Bukola comprou uma casa… a si próprio. As razões para a transação não são claras.

Mas há mais: a Girol Properties foi registada nas Ilhas Virgens Britânicas, em agosto de 2004, um ano depois de Bukola se tornar governador de Kwara. Os documentos da empresa mostram que a mulher de Bukola é proprietária de 25 mil ações da Girol Properties, mas, numa carta ao Consórcio Internacional de Jornalistas de que a TVI e o Expresso fazem parte, enviada através dos advogados, Toyin Ojora-Saraki nega ser proprietária de qualquer ação da empresa.

A fuga dos Papéis do Panamá mostram que Toyin está ligada à companhia sim. Um documento escrito à mão mostra que ela era conhecida, dentro da Mossak Fonseca, não como dona inicial, mas apenas como representante da empresa.

A Landfield International Developments também foi registada nas Ilhas Virgens Britânicas, em abril de 2014 e tem Toyin como única detentora de ações. Mas tudo indica que também aqui seja testa de ferro, já que Bukola tem, discretamente, levado a cabo transações entre a empresa e a Longmeadow Holdings, outra offshore registada em Jersey. (TVI24)

por Manuela Micael

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA