Papa leva para Roma 12 refugiados sírios e pede que mundo responda de maneira digna à crise migratória

(AFP)

O papa Francisco pediu ao mundo e, sobretudo, à Europa, para que responda de maneira “digna de nossa humanidade comum” à crise migratória, durante uma visita ao campo de Moria, na ilha de Lesbos, antes de embarcar de volta a Roma com doze refugiados sírios muçulmanos.

“Somos todos migrantes”, disse o Papa, em uma oração comum com o patriarca de Constantinopla Bartolomeu e Ieronymos, o arcebispo ortodoxo de Atenas e de toda a Grécia, pouco antes de concluir sua visita ao campo.

O Papa quis ir além das palavras e dar o exemplo. “Como sinal de acolhida aos refugiados, ele retornou a Roma acompanhado no mesmo avião por três famílias de refugiados, doze pessoas, das quais seis menores de idade”, segundo o porta-voz da Santa Sé, o padre Federico Lombardi.

Esses refugiados chegaram em solo grego antes da entrada em vigor, em 20 de março, de acordo entre a União Europeia e a Turquia que permite a expulsão de migrantes. Uma maneira de evitar uma intervenção muito política, enquanto que de acordo com Lombardi, a visita à Lesbos foi “estritamente humanitária e ecuménica, não política”.

A acolhida “ficará a cargo do Vaticano. A hospitalidade inicial será garantida pela Comunidade de São Egídio”, uma organização católica italiana, informou Lombardi.

O Papa chegou no final da manhã deste sábado neste campo onde 3.000 pessoas, incluindo muitas mulheres e crianças, estão bloqueadas, à espera de serem reenviadas para a Turquia e a seus países de origem.

‘Migrantes são pessoas’

“Queridos amigos, quero dizer que vocês não estão sozinhos (…). Não percam a esperança!”, declarou o Papa, dirigindo-se aos refugiados e migrantes em Moria, sobre quem ele enfatizou o sofrimento e a incerteza “face ao que o futuro reserva”.

“Que todos os nossos irmãos e irmãs deste continente, como o Bom Samaritano, venham ajudá-los no espírito da fraternidade, solidariedade e respeito pela dignidade humana que marcou sua longa história”, acrescentou, em uma repreensão implícita a vontade das autoridades europeias de reenviar esses migrantes à Turquia.

Não podemos esquecer que “os migrantes, antes de serem números, são pessoas”, ressaltou.

Francisco, acompanhado pelo patriarca Bartolomeu e o patriarca Ieronymos, passou uma hora no campo, cumprimentando, abençoando e recebendo com carinho os desenhos de várias crianças.

“Viemos aqui para atrair a atenção do mundo sobre esta grave crise humanitária e pedir por sua resolução”, acrescentou o pontífice.

“Freedom” (liberdade) gritou a multidão, que o recebeu com cartazes de “Help” (ajuda).

“Abençoe-me”, soluçou um migrante ajoelhado diante do Papa.

“Aqueles que têm medo de vocês não olharam em seus olhos (…) não viram os seus filhos”, acrescentou o patriarca de Constantinopla, e “o mundo será julgado sobre a maneira como tem os tratado”.

Antes de almoçar com alguns refugiados no campo, os três prelados também assinaram uma declaração conjunta pedindo ao mundo para mostrar “coragem” para enfrentar esta “crise humanitária colossal”.

Os exilados de Moria estão detidos em condições denunciadas como miseráveis por ONGs, após o endurecimento europeu frente ao êxodo iniciado em 2015 de pessoas que fogem de guerras e da pobreza.

Uma situação marcada pelo fechamento da rota dos Balcãs e pelo acordo UE-Turquia.

A visita do Papa à ilha de Lesbos, porta de entrada dos migrantes na Europa, visa insistir em uma mensagem de solidariedade e acolhida, que ainda encontra dificuldades para superar as tensões xenófobas.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, ecoou essa mensagem durante uma breve entrevista depois da chegada do Papa, criticando “alguns parceiros europeus que, em nome da Europa cristã, elevaram muros altos”.

Após um minuto de silêncio, os três líderes cristãos lançaram coroas de flores no mar, em memória das vítimas.

Desde o início do ano, 375 migrantes, em sua maioria crianças, morreram afogados tentando a travessia, somando-se aos milhares de mortos em 2015.

Essas tragédias diminuíram consideravelmente desde a entrada em vigor do acordo UE-Turquia, uma vez que as chegadas nas ilhas gregas baixaram de milhares por dia para algumas dezenas actualmente.

Neto de imigrantes italianos, o Papa intensificou o seu posicionamento em favor da acolhida dos refugiados e migrantes.

Poucos meses depois de sua eleição, Jorge Bergoglio havia visitado a ilha italiana de Lampedusa, principal porta de entrada para os migrantes, para criticar a “globalização da indiferença” às tragédias migratórias. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA