Novo alvo dos apoiadores de Dilma, Temer ganha seu pedido de impeachment

Cid Gomes fala aos jornalistas após apresentar denúncia contra Michel Temer. (Zeca Ribeiro Câmara dos Deputados)

Ex-governador Cid Gomes apresenta denúncia contra o vice-presidente com base na Lava Jato.

O alvo agora é Michel Temer. Enquanto o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff avança na Câmara dos Deputados, o Governo reúne forças políticas e sociais para resistir. Se até a semana passada o principal catalisador dos protestos era o juiz Sérgio Moro, que conduz a Operação Lava jato, agora o magistrado divide as atenções dos governistas com o vice-presidente da República. Nesta sexta-feira, o ex-governador do Ceará e ex-ministro da Educação Cid Gomes apresentou uma denúncia contra Temer com base nas investigações da Lava Jato. No dia anterior, os protestos contra o impeachment de Dilma reverberaram país afora a imagem de Temer como conspirador.

A denúncia de Gomes por crime de responsabilidade, que serviria de base para o impeachment de Temer, está baseado em seis atos do vice-presidente, explicou o ex-governador após protocolar o pedido na Câmara. “Apresento denúncias que fazem citação direta ao nome do vice-presidente Michel Temer ou ao PMDB”, disse o ex-governador, que destacou ter apresentado a denúncia “na condição de cidadão brasileiro”, já que atualmente não ocupa cargo público. Segundo Gomes, que foi ministro da Educação do Governo Dilma e deixou o cargo após chamar os deputados de “achacadores”, sua denúncia se baseia em delações, depoimentos e conversas telefônicas apuradas durante a Lava Jato.

Gomes fez questão de mencionar uma troca de mensagens em especial, na qual o presidente da construtora OAS, Léo Pinheiro, e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), estariam falando sobre um repasse de 5 milhões de reais para Temer. “E vc ter feito 5 paus para MICHEL direto de uma vez antes. Todos souberam e dá barulho sem resolver os amigos”, escreveu Cunha em registros expostos pela imprensa em janeiro. Cunha complementa: “Até porque Moreira tem mais rapidez depois de prejudicar vcs do que os amigos que brigaram com ele por vc, entende a lógica da turma? Aí inclui Henrique, Geddel, etc”.

Ao apresentar o pedido, o ex-governador solicitou que a denúncia seja analisada pelo vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), já que Eduardo Cunha é citado nos eventos denunciados. Caso o pedido de investigação não seja aceito, ele já avisou que pretende recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). O STF recebeu um pedido parecido nesta sexta. O advogado Mariel Marley Marra impetrou um mandado de segurança solicitando que o tribunal interrompa a tramitação do processo de impeachment contra a presidenta Dilma. Ele diz que o processo só poderia seguir depois de a Câmara analisar o pedido de impedimento contra Temer que ele apresentou em dezembro do ano passado — assim, presidenta e vice seriam julgados juntos.
Sucessor

Como primeiro na linha de sucessão da presidenta Dilma, Temer é visto pelos defensores do Governo como um conspirador. O vice incomodou o Planalto em agosto do ano passado ao dizer que o país precisava de alguém capaz de “reunificar a todos”. Meses depois, em dezembro, a divulgação de uma carta enviada pelo peemedebista à petista causou ainda mais desconforto. O fato de ser o presidente do PMDB, principal aliado do Governo Dilma até o rompimento, nesta semana, não joga a favor de Temer nesse aspecto. A posição institucional de vice-presidente exige discrição neste momento, mas o PMDB, que rompeu com um discurso de independência e hegemonia programada para as eleições de 2018, demanda comando.

Temer evitou participar da reunião que selou o desembarque do PMDB, na terça-feira, e fez questão de ficar fora de Brasília nas horas subsequentes. Dois dias depois, contudo, o vice-presidente rebateu especulações de que pode vir a interferir na Lava Jato caso assuma a presidência e repetiu os comentários em seu perfil no Twitter. “Dizer que eu poderia interferir em processo judicial, levado adiante em função da posição do Ministério Público: isso jamais eu faria”, disse o vice-presidente, que também refutou as informações de que já estaria negociando cargos para um futuro Governo: “Sou muito procurado, mas não trato desse assunto. Não trato sequer do assunto do que possa ou não possa acontecer”.
Resposta

Horas após a apresentação da denúncia, Temer respondeu, por meio da assessoria de imprensa da vice-Presidência da República, que “o pedido de impeachment protocolado hoje na Câmara traz uma série de citações já esclarecidas à imprensa”. O vice-presidente classifica essas citações como “notícias velhas sem sustentação, citações equivocadas e interpretações de pessoas mal informadas”. Ela seriam base, segundo Temer, “da justificativa do senhor Cid Gomes, cuja coleção volumosa de fotografias ao lado do delator Paulo Roberto Costa ilustram bem a biografia e retratam de forma definitiva sua verdadeira prática política”.

O vice-presidente, que foi chamado nesta sexta-feira por Cid Gomes de “presidente de um partido precursor e aperfeiçoador de uma prática de achaque do serviço público nacional”, ressalta que defende a Operação Lava Jato e que “tem a convicção de que os trabalhos baseados em Curitiba significam o início de uma reforma nos hábitos políticos brasileiros, necessários para melhorar e aprimorar nosso sistema de representação”. Temer finaliza a nota criticando o ex-governador do Ceará: “Só com um processo de evolução de nossos costumes deixaremos de assistir ao espetáculo deprimente representado hoje pelo senhor Cid Gomes, agente terceirizado escalado para atingir reputação alheia de forma vil e rasteira”. Segundo a nota, “tudo isso nada mais é que um plano orquestrado cujo objetivo é desconstruir a imagem do vice-presidente da República”. (EL PAIS)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA