Mota-Engil retira pessoal das obras em Angola

(DR)
Redução dos negócios vai levar à transferência de pessoal para a América Latina, à reforma ou a rescisões amigáveis.
O grupo português de construção civil Mota-Engil prepara uma redução significativa de pessoal em Angola, avança o Negócios. A justificar o redimensionamento da estrutura está a redução da atividade causada pela crise e o baixo preço do petróleo.
Fonte ligada ao processo, citada pelo jornal, avançou que não está previsto qualquer despedimento coletivo, ao contrário do que sucedeu noutras construtoras lusitanas. Em vez disso, alguns dos menos de 400 expatriados serão mobilizados para obras na América Latina – onde a construtora aumentou negócios em mais de 30% no ano passado -, podem ir para a reforma ou aceitar rescisões amigáveis.
Saiba mais sobre o que se passa em Angola.
A Mota-Engil já chegou a ter cerca de 700 expatriados no país africano onde mantém ainda algumas obras, porém a quebra de negócios foi abrupta em 2015: -21%, passando de 1.062 para 835 milhões de euros. Na América Latina, em contrapartida, os mercados do México e do Brasil cresceram, respetivamente, 53% e 35% em 2015. O grupo está já presente em sete países do continente, onde detém uma carteira de encomendas que ronda os 2.000 milhões de euros.
O banco de investimento Haitong (ex-BESI) considera a decisão da Mota-Engil “lógica, na medida em que o pedido de assistência financeira feito ao FMI e tornado público na semana passada poderá levar a uma redução no investimento público e, consequentemente, na atividade dos negócios locais”. O banco apontou, ainda, que, em 2015, a unidade Angola da Mota-Engil ainda representou 14% das vendas e 19% do EBITDA da empresa. (Dinheiro Vivo)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA