Líderes das Comunicações Lusófonas debatem em Luanda (Angola) a Transformação Digital na Era do Consumidor

(DR)

Realiza-se nos próximos dias 3 e 4 de maio em Luanda (Angola), no Hotel Trópico, a Assembleia-Geral Anual e o XXIV Fórum AICEP das Comunicações Lusófonas 2016 organizado pela Associação Internacional das Comunicações de Expressão Portuguesa (“AICEP”), este último com o tema “A Transformação Digital na Era do Consumidor”.

Estes eventos vão reunir Presidentes, CEO’s, Administradores, Altos Directores e outros Dirigentes das empresas operadoras de Comunicações (Correios e Encomendas, Telecomunicações e Conteúdos de Televisão) e dos Órgãos Reguladores do Sector Membros da AICEP, dos 9 Países e Territórios de Língua Oficial Portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste) que constituem o universo desta importante Associação Internacional.

Nos últimos 5 anos iniciou-se a Era do Consumidor, na qual as forças tecnológicas e económicas colocaram os clientes no controlo das suas interações com os negócios. Esses negócios, na esperança de compreender e servir os clientes numa economia global e digital, estão quase todos a passar por uma transformação digital que envolve o realinhamento e o investimento em novas tecnologias e modelos de negócio com um enfoque específico na experiência do cliente. A experiência do cliente é a base da transformação digital que, sendo uma prioridade das empresas, tem hoje como principais estimuladores, não propriamente a receita – como era no passado – mas a rentabilidade/margens; a satisfação do cliente e a rápida comercialização de produtos e serviços.

Contudo, a transformação digital é um processo complexo que cria algumas incertezas que é indispensável combater; é preciso haver disponibilidade para correr riscos; aprender-se com os erros e tomar medidas reiteradas de forma a implementar-se uma nova cultura, novos processos e novas e melhores tecnologias que permitam às empresas competir nos mercados modernos em que actuam.

Por outro lado, a Economia Digital origina novas realidades e modifica a estrutura de mercado, tal como nós as conhecemos. A digitalização da economia acentua a verticalização dos mercados, pela integração nos mesmos operadores e plataformas de diversos níveis da mesma cadeia de produção e entrega dos bens ou serviços.

Associado ao processo de transformação digital das empresas há também novos desafios e algumas novas ameaças relacionadas com a privacidade, a proteção de dados pessoais recolhidos através de serviços digitais, o controlo sobre os dados que são publicados online e sua durabilidade (o associado “direito ao esquecimento”) e a criminalidade informática e ciberpirataria.

Acresce ainda que o Digital coloca inúmeros desafios aos operadores e aos reguladores, em termos de redes e novas ofertas de produtos e serviços, quanto aos primeiros, e de (novas) realidades a regular (ou não), quanto aos segundos.

Quais são, por isso, as tendências que se desenham para o futuro; como vai o Digital continuar a modificar as vidas das empresas e dos clientes; quais as principais recomendações para as empresas; que parcerias com capacidades complementares às suas devem estabelecer e de que forma poderão melhor enfrentar os desafios, as oportunidades e as ameaças, são temas de grande importância e actualidade para reflexão e análise no âmbito dos 4 painéis temáticos – “Modelos para o Crescimento Digital nas Comunicações e Media”; “A Experiência do Consumidor no Digital”; “Confiança, Privacidade, Protecção de Dados e Segurança” e “Redes, Operação e Regulação: Desafios do Digital” – que, para além de uma prévia intervenção enquadradora, integram este Fórum.

Com a presença dos líderes dos Operadores e Reguladores membros da AICEP, de inúmeros outros participantes e convidados, e de entre estes, de membros do Governo da República de Angola e de representantes diplomáticos dos diversos Países representados na Associação, vão ouvir-se vários especialistas do mundo académico e empresarial e proceder-se a um intenso trabalho de reflexão e debate sobre o mencionado tema que não poderia ser mais oportuno para o sector das Comunicações, constituindo o debate que se irá fazer um contributo essencial para analisar o rumo que deve ser seguido para acompanhar a revolução digital que estamos – pessoas e empresas – a assistir e a viver e que alguns já designam como a 4ª Revolução Industrial. Este contributo para a Sociedade das Comunicações e do Digital é uma missão em que a Associação Internacional das Comunicações de Expressão Portuguesa se revê e em que se empenha permanentemente, fazendo da mesma, cada vez mais, agora e no futuro, a parceira natural das Comunicações do Mundo da Lusofonia.

Programa:

(DR)
(DR)

(nota de imprensa enviada à redacção do Portal de Angola com pedido de publicação)

 

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA