JPMorgan corre risco de perder US$ 2 bi com crise no Brasil

(AFP)

O banco americano JPMorgan Chase poderá perder 2 bilhões de dólares com o agravamento da crise política e econômica no Brasil, devido a sua alta exposição no país – advertiu o presidente da instituição, Jamie Dimon.

“Nossa exposição no Brasil é de cerca de 11 bilhões de dólares, e acreditamos que no caso do agravamento da crise poderemos perder 2 bilhões” de dólares, escreveu Dimon em sua carta mensal aos acionistas.

O banqueiro recorda que, nos três últimos anos, JPMorgan Chase ganhou dinheiro em sua atividade na principal economia da América Latina.

O primeiro banco americano em ativos dispõe de mais de 2 mil clientes no Brasil, incluindo centenas de empresas multinacionais.

“Não sairemos (do Brasil) porque as perspectivas de longo prazo permanecem boas e porque os brasileiros apreciam nossa permanência nestes momentos de maior necessidade”, garantiu.

A presidente Dilma Rousseff enfrenta um processo de impeachment por causa das chamadas “pedaladas fiscais”, em meio a uma inflação de dois dígitos e ao crescente desemprego.

James Dimon elogiou os esforços da Argentina para voltar a ganhar a confiança dos mercados financeiros e disse que seu banco apoia as medidas do governo de Mauricio Macri nesse sentido.

“Este ano, assumimos um pequeno risco extra na Argentina, ao conceder um financiamento especial para ajudar a devolver certa estabilidade ao país e favorecer seu retorno aos mercados financeiros globais”, completou, sem dar detalhes.

Em fevereiro, a Argentina concluiu um acordo histórico com os chamados “fundos abutres”. Há anos, esses fundos reivindicavam a devolução de 4,6 bilhões de dólares por parte de Buenos Aires. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA