Ler Agora:
Jojó Gouveia aumenta concorrência entre trovadores
Artigo completo 3 minutos de leitura

Jojó Gouveia aumenta concorrência entre trovadores

Apesar do ainda ?exíguo? número de fazedores, a competitividade entre músicos-trovadores no mercado nacional fica, doravante, mais forte, com a entrada na concorrência, do jovem promissor angolano Jojó Gouveia, que prepara o seu álbum de estreia para este ano.

“Mbuandjá” (confusão, na língua nacional umbundo) é o título escolhido para o disco, que comportará 12 temas, nomeadamente “Amar para valer”, “Mbuandja”, “Porquê o fim”, “Antes de partir”, “Tão linda”, “Chamavo”, “Nela”, “Ana Maria”, “You Sad”, “Skate”, “Veio” e “Última faixa”.

De acordo com Jojó Gouveia, as músicas foram gravadas nos estúdios Ângra Serviços, Reggie e B. Max, numa mescla de género em que pontificam o semba, quizomba, afro-jazz, rumba e badalada, não obstante a sua habilidade para viajar em outros estilos e/ou tendências musicais.

As mesmas, acrescentou o músico em entrevista à Angop, foram interpretadas em português, quimbundo, tchokwé e lingala, de forma a manter a matriz identitária dos africanos, dos angolanos em particular, assim como ajudar a imortalizar os idiomas nacionais.

“Neste cd, que será masterizado e editado em Portugal, contei com a participação de vários colegas, entre vocalistas e instrumentistas, tal como participação Sabino Henda, LK, Bix, João Mário, Diego, Paulo Massini, Nádia da Luz e das bandas Movimento, Relâmpago e Versáteis”, explicou.

Jojó Gouveia enalteceu o music hall angolano e todos os seus intervenientes que fizeram com que o país fosse hoje mais reconhecido no contexto das nações, através da música produzida por muitos cantores com carreiras bem internacionalizadas.

Sobre o posicionamento dos trovadores neste “mosaico musical”, o também vocalista principal da Banda Relâmpago disse que estes têm o seu espaço seguramente reservado, apesar da diminuta concorrência, em consequência da pouca ousadia dos jovens.

Neste particular, destacou o “atrevimento” de Totó, Dodó Miranda, Konde, Matias Damásio, Kanda, Sandra Cordeiro, entre outros jovens músicos-trovadores que decidiram seguir as pegadas de veteranos como

Gabriel Tchiema, Teta Lágrimas, Teta Lando (falecido), Alcas Fernandes, Euclides da Lomba, Duo Canhoto e Irmãos Almeida.

Nascido em 1979, no município de Sanza Pombo (província do Uíge), Jojó Gouveia experimentou pela primeira vez a música em 1998 e, durante um período de oito anos praticou-a como “hobby” (passatempo), mas ainda assim participando em alguns concursos, com realce para o extinto “Estrelas em palco”, em que concorreu por três vezes.

A partir de 2008, por encorajamento do malogrado Beto de Almeida, aposta seriamente na carreira musical, para dois anos depois classificar-se na segunda posição do Festival da Canção da Lac, com o tema “Mwenho Uami” de Alcas Fernandes. Antes (em 2001) venceu um concurso promovido pela Unesco. (ANGOP)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »