Irão não terá acesso a sistema financeiro dos EUA, garante Washington

(AFP)

O subsecretário de Estado americano Thomas Shannon garantiu, nesta terça-feira, que Washington não pretende autorizar o acesso do Irã ao sistema financeiro dos Estados Unidos, nem à compra de aviões militares russos de última geração.

Em resposta à preocupação de alguns congressistas, Shannon frisou que Washington manterá as sanções ainda em vigor contra a República Islâmica.

Ele confirmou que o Departamento de Estado está tentando “esclarecer” os termos de suas sanções financeiras aos bancos estrangeiros que buscam, agora, fazer negócios com o Irão.

“Os rumores e as notícias que apareceram nos jornais no sentido de que os Estados Unidos estão preparando o reingresso do Irão ao sistema financeiro americano não são correctos”, afirmou.

Em Janeiro passado, Estados Unidos e União Europeia puseram em vigor sua parte do acordo com o Irã a respeito de seu programa nuclear e suspenderam boa parte das sanções.

Em vez de renunciar às actividades de enriquecimento e de se desfazer de suas reservas de combustível nuclear, as potências mundiais suspenderam muitas das sanções. Essa mudança permitiu ao Irão ter acesso a milhões de dólares em bens congelados e duplicar suas exportações de petróleo.

Washington mantém, contudo, outras sanções contra Teerão, alegando que o país continua com um programa proibido de mísseis balísticos e por armar grupos militantes no Oriente Médio. Entre elas, está a proibição de operar no sistema financeiro americano.

Teerão já demonstrou sua irritação com as sanções residuais, e os sectores mais conservadores da República Islâmica acusam o presidente Hassan Rohani de estar entregando o país em troca de nada.

O secretário de Estado americano, John Kerry, e, em menor medida, o presidente Barack Obama, deram a entender que concordam com as críticas e insistiram em que os Estados Unidos vão manter os termos do acordo. Isso inclui, portanto, as sanções que ainda não foram suspensas.

Ainda assim, persistem no Congresso preocupações de que o governo Obama estaria preparando novas concessões ao Irão.

Nesta terça, na Comissão de Relações Exteriores do Senado, o congressista Bob Corker pediu a Shannon que explicasse “os rumores que surgem do governo”. O subsecretário insistiu em que, “pelo que sei”, não há planos para permitir ao Irã usar o sector financeiro para fazer transacções com dólares. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA