Investigador da UC recebe o mais importante Prémio Europeu na área da Computação Evolucionária

(UC)

Penousal Machado, docente e investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), acaba de ser distinguido com o EvoStar Award for Outstanding Contribution to Evolutionary Computation in Europe 2016, atribuído pela EvoStar, a Conferência Científica líder na Europa neste campo da ciência.

Trata-se do mais importante prémio na área da computação de inspiração biológica atribuído no espaço Europeu, que reconhece a «continuada excelência do trabalho científico e os contributos para o desenvolvimento desta área de conhecimento a nível mundial.» Por isso, esta distinção tem a natureza de prémio de consagração de carreira, sendo que Penousal Machado se tornou o mais jovem investigador a recebê-lo.

Coordenador do grupo de Cognitive and Media and Systems e fundador do Laboratório de Computational Design e Visualization, ambos no Centro de Informática e Sistemas da Universidade de Coimbra (CISUC), Penousal Machado considera que o galardão «é, acima de tudo, o reconhecimento da excelência e impacto da investigação realizada no CISUC. Apesar de ser um prémio individual, reflete o trabalho de toda uma equipa de alunos e colegas com os quais tenho o privilégio de trabalhar.»

A área da Computação Evolucionária integra-se no domínio da Inteligência Computacional. Em termos simples, procura transformar os princípios da teoria da Evolução das Espécies, de Darwin, em algoritmos, por forma a resolver problemas de elevada complexidade.

O trabalho de Penousal Machado e do seu grupo de investigação distingue-se pela aplicação de técnicas de computação evolucionária, e outras inspiradas na natureza, aos domínios da arte, música e design computacional.

Ou seja, «em vez de tentarmos desenvolver algoritmos que geram obras, criamos algoritmos que evoluem obras. Ao longo do tempo a evolução natural deu origem a um grande conjunto de espécies adaptadas ao meio ambiente em que vivem. Analogamente, os nossos algoritmos evoluem artefactos que se adequam às preferências estéticas dos utilizadores», explica o investigador da UC.

Sendo um trabalho com implicações ao nível da Criatividade Computacional, «importa salientar que o objetivo não é o de substituir os humanos, mas sim de oferecer novos mecanismos de expressão que possam complementar a criatividade humana, resultando numa expansão cognitiva», conclui Penousal Machado.

Imagem em anexo: Penousal Machado (no centro à esquerda) na cerimónia de entrega do EvoStar Award 2016. Os créditos da foto devem ser atribuídos a Pablo García Sanchez.

(nota de imprensa enviada à redacção do Portal de Angola com pedido de publicação)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA