Huambo: Homenageados agentes da Polícia mortos no Monte Sumi

Policia Nacional de Angola (RNA)

Os nove agentes da Policia Nacional mortos em Abril no ano transacto no Monte Sumi, município da Caála (Huambo), por seguidores da extinta seita religiosa do Sétimo Dia “Luz do Mundo”, foram homenageados, sábado, pelo governo provincial, um ano depois dos acontecimentos.

Em acto decorrido no Cemitério do São Pedro, na cidade do Huambo, sob orientação do vice-governador para o sector político e social, Guilherme Tuluca, renderam homenagem aos polícias, membros do governo da província, do Conselho da República, dos ministérios do Interior e da Defesa, deputados, políticos, entidades religiosas, membros da sociedade civil, familiares das vítimas e pessoas singulares.

A cerimónia teve início com a celebração de uma missa na paróquia do município da Caala, presidida pelo arcebispo emérito do Huambo, Dom Francisco Viti, e prosseguiu no cemitério São Pedro, na cidade do Huambo, com o descerrar da placa do memorial erguido em memoria dos falecidos e a deposição de coroa de flores nos oito túmulos onde jazem os restos mortais dos mártires do sumi, sendo que o nono foi sepultado na província de Luanda.

Ao intervir no acto, o administrador municipal da Caala destacou a bravura e a tenacidade dos policiais, que deram a sua vida em prol da pátria, na luta contra dos actos de desordem social, ao despertarem as instituições de direitos a necessidade do combate ao fenómeno religioso ilegal no país.

Para si, os agentes perecidos eram verdadeiramente policias comprometidos com o bem comum, homens de valores e que partilhavam a vontade de proteger os cidadãos, dentro do ideal de servir a nação angolana.

Diante desta realidade, prosseguiu, é preciso que cada um tenha a responsabilidade e o sentido do bem-estar social, no âmbito dos desafios do governo angolano de consolidação de uma sociedade unida, livre e independente.

Referiu que o 16 de Abril de 2016 fica assim gravado de forma indelével nos anais da história do país, como um momento de reflexão, de maneira a contrapor as iniciativas que em nada ajudam para a unidade das famílias, promoção e resgate dos valores morais e cívicos dos cidadãos.

O incidente ocorrido Monte Sumi, no município da Caála, 49 quilómetros da cidade do Huambo, resultou no assassinato de nove agentes da Polícia Nacional, por elementos afectos a seita religiosa “Luz do Mundo”, quando o efectivo cumpria um mandado de captura contra o seu líder, emitido pela Procuradoria-Geral da República na província do Bié.

Entre as vítimas, consta o comandante da corporação no município Caála, superintende-chefe Evaristo Catumbela, o chefe das operações da Polícia de Intervenção Rápida nesta província, intendente Luhengue Joaquim José, o instrutor da Polícia de Intervenção Rápida, sub-inspector Abel do Carmo, o 1º sub-chefe João Nunes, os agentes Luís Sambo, Castro Hossi, Manuel Lopes e Afonso António, assim como o delegado do Serviço de Inteligência e Segurança Interna do município da Caála, António Afonso. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA