Huambo: Conquista da paz retratada em peça teatral

Processo de paz retratado em teatro (Foto: Angop/arquivo)

Através de uma peça teatral, o grupo teatral Colectivo de Artes Vozes D’Africa da província do Huambo, retratou na noite de quarta-feira, nesta cidade, o processo de luta pela conquista da paz, a 4 de Abril de 2002.

O evento encerrou a maratona teatral iniciada domingo, alusiva aos 18 anos de existência do colectivo de Artes Vozes D’Africa e do 14º aniversário da Paz e Reconciliação Nacional.

A ficção, interpretada com a participação do grupo teatral Filhos das Artes, foi apresentada em duas sessões, trazendo à memória dos presentes no auditório da escola Comandante Bula, as vivências trágicas dos angolanos durante o conflito armado e o reencontro dos irmãos desavindos, que abriu uma nova etapa da realidade política, económica e social de Angola.

A peça, bastante ovacionada pelo público presente, retratou também os feitos alcançados nos últimos 14 anos e o processo de desenvolvimento que o país tem registado, facto que tem permitido o seu melhor posicionamento no contexto das nações africanas e no mundo inteiro.

No final do espectáculo, o director da agremiação, Pascoal Pedro Nhanga, em declarações à Angop, disse que o retrato do processo da conquista da paz visou propiciar uma maior interpretação e compreensão do público sobre o percurso histórico dos angolanos até a assinatura do memorando de entendimento.

A intenção foi de apresentar o quanto foi difícil o alcançar a Paz em Angola, para que os jovens saibam os difíceis caminhos trilhados até os dias de hoje e incutir nos angolanos a necessidade da preservação deste bem superior, realçou.

Fundado a 10 de Março de 1998, o Colectivo de Artes Voz D’Africa, conta com 15 actores.

Arrebatou vários prémios, entre eles, o de vencedor de cultura e arte em 2012, festival da terceira edição do teatro em Cabinda, primeira edição do prémio provincial de cultura e artes na categoria de teatro e melhor grupo teatral de 2011 no festival do município Cazenga, em Luanda. (ANGOP)

DEIXE UMA RESPOSTA