Huambo: Advogado de Kalupeteka discorda da pena e promete recurso

David Mendes (DR)

O advogado do líder da extinta seita religiosa “Luz do Mundo”, José Julino Kalupeteka, e mais nove seguidores seus, David Mendes, discordou da pena aplicada hoje (terça-feira), aos seus constituintes e prometeu interpor recurso junto do Tribunal Supremo.

“Para mim não é nenhuma novidade e também não constitui surpresa, uma vez que já esperava esta condenação dos meus constituintes”, declarou o causídico David Mendes, em breves declarações à imprensa, no final da leitura do acórdão pelo juiz presidente da causa, Afonso Pinto.

Lembrou também que no país não existe pena superior a 24 anos de prisão, facto que reforça ainda a necessidade de recorrer da decisão do tribunal da província do Huambo.

José Julino Kalupeteka foi condenado a 28 anos de prisão efectiva, por autoria moral de nove crimes de homicídio qualificado, sob a forma consumada, em que foram vítimas nove polícias em Abril de 2015.

Na mesma instância foram condenados Hossi Lucacuty Vilinga, Agostinho Cangungo, Cipriano Colembe, Gabriel Esperança, Carlos Cussucala e Amós Cangumbe a pena de 27 anos de prisão efectiva, por autoria material de nove crimes de homicídio qualificado, sob a forma consumada e um sob a forma frustrada.

Os seis correligionários de José Julino Kalupeteka foram igualmente condenados por terem cometido um crime de resistência e outro de dano voluntário não previsto, enquanto os réus João Zacarias, Filipe Quintas e Inocêncio Nunda, apesar de terem cometido os mesmos crimes que os demais seguidores da extinta seita Luz do Mundo foram atenuados e condenados a pena única de 16 anos de prisão efectiva, pelo facto de no momento dos acontecimentos terem idades inferiores a 21 anos. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA