Gestão de riscos e desastres envolve esforço de todos

Pier Paolo Balladelli - Representante do PNUD (Foto: Pedro Parente)

A gestão de riscos é uma preocupação de governação e um processo que é tanto político, económico e técnico daí que todos precisam trabalhar em conjunto em todas as áreas e sectores para reduzir o impacto dos desastres.

Esta apreciação foi feita hoje, terça-feira, em Luanda, pelo coordenador residente das Nações Unidas e do Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) em Angola, Paolo Balladelli, no workshop regional sobre a gestão de informação para a redução do risco de desastre na SADC.

Segundo o responsável, precisa-se de líderes que se atrevam a sair das suas comunidades de gestão de risco de desastres e insistam em aprender com o passado, para que possam evitar que as mesmas coisas continuem a acontecer de forma recorrente.

Acrescentou que só em 2014 mais de seis milhões de africanos foram afectados directamente por 114 desastres e, que as perdas económicas directas resultantes dos desastres até a data neste século estão estimadas em 2,5 triliões de dólares a nível mundial.

Referiu que as alterações climáticas agravaram ainda mais o problema prejudicando a capacidade de resistência dos países africanos e dos seus cidadãos, aliado com planos de desenvolvimento não sustentáveis que aumentaram os riscos climáticos e de desastres.

Paolo Balladelli disse que estes planos se referem a urbanizações não planeadas, ao desenvolvimento de infra-estruturas em áreas de risco ou a competição por recursos escassos, pois os processos de crescimento humano e de gestão de riscos estão interligados.

Pediu aos representantes dos países presentes no encontro, que trabalhem de forma eficaz para melhorar o conhecimento empírico sobre os riscos que afectam as suas áreas para a defesa da redução do risco de desastres.

Apelou para que promovam decisões políticas com conhecimento de riscos essenciais para consolidar os apoios, recursos e capacidades necessários para o desenvolvimento de nações e comunidades.

“Os esforços de desenvolvimento em África são cada vez maiores devido aos impactos devastadores dos desastres naturais como secas e inundações”, salientou.

O workshop regional sobre a gestão de informação para a redução do risco de desastre é promovido pelo PNUD em parceria com a Comissão Nacional de Protecção Civil com o financiamento da União Europeia.

Para além de Angola, participam do encontro, com duração de dois dias, técnicos da Tanzânia, Malawi, Leshoto e Zâmbia.

Fez abertura do evento o Secretário de Estado do Interior, Eugénio César Laborinho. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA