Falta de passageiros condiciona circulação do comboio no troço ferroviário Namibe-Lubango

Há comboios disponíveis mas faltam passageiros (Foto: Kynda Kyungu)

A falta de passageiros está a condicionar a circulação regular dos comboios no troço ferroviário Namibe-Lubango e vice-versa, desde o momento que se procedeu à inauguração do comboio experimental em 2012, quatro anos depois da reabilitação total do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes.

Falando à Angop, nesta terça-feira, o director do Caminho de CFM no Namibe, António Canda Canda, referiu que a empresa de Agosto a Dezembro de 2012 havia colocado com frequência os comboios, mas o número não passou de 300 passageiros.

Segundo o responsável do CFM no Namibe, este quadro levou a empresa a um prejuízo calculado em mais de 15 milhões de kwanzas em combustível e em outros serviços.

Devido a esta situação, as suas actuações estão actualmente viradas para a realização de comboios para a carga, quando clientes solicitam os serviços, optando assim pelo sistema de serviços personalizados.

Por outro lado, referiu que as regras de velocidade no transporte ferroviário são rigorosamente obedecidas por questões de segurança, factor que tem sido uma referência no campo da concorrência com o sector rodoviário, pois, os clientes preferem maior rapidez de transporte de mercadorias e até passageiros normais.

Realçou que o CFM está à disposição de todos que queiram usar os seus serviços, pelo facto de ser o meio mais seguro e com maior mobilidade em termos de quantidades de carga.

Sublinhou que a província do Namibe tem vantagens múltiplas para a diversificação da economia, porque possui um dos maiores portos do país, ligado com o caminho-de-ferro que se estende em toda região sul.

A malha ferroviária Namibe-Lubango comporta 264 quilómetros e nela foram construídas 13 estações.

O processo de reabilitação do Caminho de Ferro de Moçâmedes, que compreende às províncias do Namibe, Huíla e Cuando Cubango custou aos cofres do Estado mais de um bilião de dólares norte-americanos. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA