Estado leiloa hoje imóveis por 20 milhões incluindo o antigo Hospital da Marinha

(Negocios)

As Finanças vão leiloar 19 imóveis por todo o país, incluindo um edifício no Chiado e um terreno para construção junto ao Rio Sado no sopé da Serra da Arrábida.

Vende-se edifício histórico em Lisboa, com vista para o rio Tejo, próximo da estação de Santa Apólonia e junto ao Panteão Nacional e Feira da Ladra. Este poderia o anúncio de venda do antigo Hospital da Marinha que vai hoje a leilão.

Este activo faz parte do conjunto de 19 imóveis detidos pelo Estado, localizados por todo o país, que vão chegar ao mercado na hasta pública que vai ter lugar esta sexta-feira, 8 de Abril, pela 15 horas na Sociedade de Geografia de Lisboa.

O valor base de licitação agregado é de 20,2 milhões de euros, com o Estado a pretender promover a reabilitação urbana por todo o país, com a chegada destes imóveis ao mercado.

O imóvel “estrela” deste leilão é o já referido antigo Hospital da Marinha, que conta com uma área bruta de 15 mil metros quadrados e que vai ser licitado com um valor base de 12 milhoes de euros.

Também em Lisboa, vai a leilão um edifício pertencente ao Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) na Rua da Emenda, na zona do Chiado, com a licitação a começar nos 2,9 milhões.

Em Setúbal, destaque para um terreno para construção com 20 mil metros quadrados na Praia de Albarquel, localizada no sopé da Serra da Arrábida, pelo preço base de 2,2 milhões.

Na zona centro, o Instituto da Vinha e do Vinho em Leiria vai a leilão, enquanto no sul, vai ser o Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas em Faro.

Estes imóveis foram escolhidos por representarem uma “oportunidade de reabilitação ou reconversão urbanística em todo o país”, disse o sub-director geral da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças (DGTF), Bernardo Alabaça em comunicado.

Este leilão está inserido na Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa cujo objectivo é promover a reflexão e o encontro de ideias sobre a reabilitação nas cidades. (Jornal de Negocios)

por André Cabrita-Mendes

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA