Directora-geral da OMS em Angola para reforço da cooperação

Margaret Chan - Directora geral da Oms (Foto: JUNG YEON-JE/Arq)

A directora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, chegou nas primeiras horas da manhã de hoje, segunda-feira, a cidade de Luanda, a fim de cumprir uma visita oficial de dois dias ao país, com vista ao reforço das relações bilaterais de cooperação entre Angola e aquele organismo das Nações Unidas.

No Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, a alta responsável da instituição e a sua comitiva, receberam os cumprimentos de boas-vindas da parte do ministro da Saúde, Luís Gomes Sambo, acompanhado de altos funcionários do seu pelouro e membros da representação da OMS na capital angolana.

Durante a missão, a decorrer segunda-feira e terça-feira, Margaret Chan vai reunir-se com vários membros do governo, com destaque para os ministros das Finanças, Armando Manuel, Relações Exteriores, Georges Chikoti, e o novo titular da Saúde, Luís Gomes Sambo, médico angolano que trabalhou já para o referido organismo.

No quadro da visita, a directora-geral da Organização Mundial da Saúde prevê ainda encontrar-se com responsáveis do Governo Provincial de Luanda (GPL), missões diplomáticas, agências de cooperação parceiras da OMS, membros do sistema da ONU no país e representantes da sociedade civil (ONG,s).

A directora-geral da Organização Mundial da Saúde, Margaret Chan, termina a sua missão em Angola na noite de terça-feira. Entretanto, encontra-se já em Luanda, para integrar a delegação da OMS, a directora regional para África, Matshidiso Moeti.

A visita destas entidades visa igualmente apoiar os esforços de Angola no combate à epidemia de febre-amarela que o país enfrenta desde finais de 2015, segundo apurou a Angop no aeroporto internacional 4 de Fevereiro.

No âmbito da cooperação bilateral, Angola tem beneficiado de ajuda da OMS em diversos domínios, como no campo da pesquisa, apoio médico e medicamentoso, combate ao hiv-sida, vacinação, entre outros programas destinados a assistência médica e melhorar as condições de vida das populações. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA