Cuando Cubango: Projecto Rio Cafuma produzirá mais de 60 toneladas por ano

Director do Gabinete da UTIP e o PCA da TecnoCarro assinam contrato (Foto: Nicolau Vasco)

Sessenta e quatro toneladas de milho e 20 mil de soja serão produzidas anualmente dentro quatro anos, no projecto rio Cafuma Limitada, município do Cuangar, província do Cuando Cubango, avaliado em 20 milhões e 678 mil dólares, num investimento faseado.

O facto foi avançado, terça-feira, em Menongue, capital do Cuando Cubango, pelo director da empresa TecnoCarro, investidora do projecto, Carlos Colaço, em declarações à imprensa, após a assinatura da empreitada, efectuada pelo Director do Gabinete Técnico do Investimento Privado, Norberto Garcia, e o Presidente do Conselho da Administração da TecnoCarro, José Récio.

Segundo explicou, as toneladas de milho e de soja serão recolhidas nos dois mil hectares irrigados, a serem executados ao longo dos quatro meses do projecto, onde será aproveitada a celagem para o gado, visando à engorda do gado bovino e depois vender a carne do gado.

“Este é resultado do projecto totalmente implementado no final de quatro anos, com duas colheitas anuais. O projecto começará por ser desenvolvido, numa primeira fase, em 500 hectares irrigados e depois replicados mais três hectares, que farão os dois mil hectares”, detalhou.

Assegurou que dentro de 18 meses, a empresa fará a primeira colheita nos primeiros 500 hectares e após seis meses, acrescentando que se fará a replicação de hectares até aos dois mil e no final da implementação do projecto.

Carlos Colaço considera que a produção do milho e da soja é prioritária, porque faz muita falta ao país, visando a redução das importações e a poupança de divisas.

“O gado será para a produção de carne e a venda para o matadouro, visando ajudar a produção nacional e obter decréscimo nas importações que são verificadas actualmente. Neste momento, a empresa está concentrada na produção do milho e da soja, sendo que a produção da engorda do gado através da celagem será depois complementada”, precisou o responsável.

Disse que o projecto visa contribuir para o desenvolvimento nacional e para o orgulho dos angolanos, tendo explicado que a escolha do Cuangar é por ser um projecto desafiador, por ainda não existir, na área de implementação, nada com excelentes condições e demonstrar à Namíbia que do lado de Angola também se pode produzir.

Justificou que na Namíbia já existem projectos do género, altamente desenvolvidos e Angola deseja demonstrar que tem qualidades, capacidades e meios para concorrer com qualquer país a nível de agricultura, garantindo que a empresa investidora já efectuou análises químicas nos Estados Unidos.

Igualmente, já realizou um trabalho prévio com ajuda da Unidade Técnica de Investimento Privado, um contributo excelente para as condições da implementação do projecto.

O projecto, que irá gerar103 postos de trabalho do pessoal nacional, contempla para as comunidades locais, a criação de escolas, posto médico, incentivo de trabalho conjunto com a imprensa investidora, para garantir o desenvolvimento da população na formação e a nível social.

Estiveram presentes, o governador do Cuando Cubango, Pedro Mutindi, o vice-governador para o sector político, Pedro Camelo, empresários, autoridades tradicionais, entre outros convidados. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA