Cuando Cubango: Especialistas da National Geografic concluem expedição

(DR)

Catorze especialistas da biodiversidade adstritos à organização National Geografic Society concluíram, este domingo, a segunda fase da expedição aos rios Cuanavale, Cuito e Cubango, num período de quarenta dias.

A expedição, que teve como objectivo explorar e identificar as distintas espécies aquáticas e terrestres, é sequência da primeira concluida em Julho de 2015, que teve a duração de 43 dias, tendo envolvido, na altura, 43 especialistas de diferentes países.

No acto de recepção dos excursionais, o director técnico do Pólo de Desenvolvimento Turístico da Bacia de Okavango, João Baptista Gime Sebastião, garantiu que a segunda fase de pesquisas, poderá trazer dados novos e importantes e elementos sobre a Biodiversidade, partindo da nascente do rio Cuanavale na localidade de Tembo, província do Moxico, até ao rio do Cuito, no município do Cuito Cuanavale (Cuando Cubango).

O também representante do governo angolano no “Okavango wilderness project” disse ainda que os resultados provenientes da referida expedição vão permitir que os estudantes da Universidade Cuito Cuanavale possam realizar trabalhos científicos e investigações, baseando-se em dados actualizados.

João Baptista Gime Sebastião sublinhou que os especialistas estiveram a realizar investigações em plantas, mamíferos, insectos, repteis, anfíbios e peixes.

Segundo disse, a finalidade da expedição prende-se em reunir uma informação científica que vai ajudar a conhecer, de uma forma geral, a biodiversidade de Angola e do Cuando Cubango em particular.

“O rio Cuito, o Cuando e Cuanavale, são rios que desaguam no Cubango sendo este o principal rio que garante a água que vai até a Ramisa, no Botsawa, na região de mahulo, uma zona turística de grande peso naquela economia e nós, na base deste estudo e investigação, vamos poder ter, no quadro da diversificação da economia, o desenvolvimento do Turismo, iremos ter mais investidores e turistas na região que poderão desfrutar das belezas que até ao momento ainda não são conhecidas”, sublinhou.

Por seu turno, o coordenador da expedição e líder do Okavango Wildernessn Project, Steve Boyes, disse que os resultados da investigação serão tornados públicos pelos diferentes meios de comunicação social, através de um simpósio a ser realizado em Menongue, na próxima quarta-feira, 6 de Abril.

Para si, a realização da excursão ao longo dos rios da província, representa uma contribuição para o desenvolvimento do turismo em Angola.

Fez saber que ao longo da pesquisa nas áreas investigadas a sua equipa encontrou várias coisas que são bastante importante não só para Angola, mas também para os demais países vizinhos.

“Estivemos a explorar e a investigar as nascentes do Cuanza, do Cuito, do Cuanavale e do Cuando. Estivemos a observar a biodiversidade e vamos partilhar os resultados preliminares quarta-feira no simpósio. Encontramos coisas maravilhosas mais do que esperávamos”, disse.

Realçou que durante o período de expedição a sua equipa teve oportunidade de expandir as áreas de protecção e o estabelecimento de áreas húmidas protegidas.

“Estes recursos vão atrair turistas e grandes investimentos privados, faremos tudo para trabalhar com o governo de Angola no desenvolvimento destas oportunidades”, concluiu.

Já a administradora do Cuito Cuanavale, Sara Luísa Mateus, considerou que as investigações desenvolvidas pela equipa do National Geografic servirão de caminho, para que os estudantes angolanos venham a entender melhor a biodiversidade, bem como a atração de turistas interessados em investir no sector, contribuindo assim para a diversificação da economia. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA