Combates entre a Arménia e o Azerbaijão

Um soldado arménio em 2012. Imagem de Arquivo. (AFP FOTO / KAREN MINASYAN)

Este sábado as hostilidades começaram no Nagorno-Karabach, entre as forças armadas azeris e as forças armadas arménias daquela região. Uma subida de tensão imprevista e violenta na Região Sul do Cáucaso.

As violências começaram na noite de sexta-feira para sábado com artilharia pesada e até a aviação. Confrontos que duraram ainda durante o dia.

O Azerbaijão de um lado, a Arménia e as autoridades do Nagorno-Karabach por outro lado, acusam-se mutuamente. As tensões têm sido mais frequentes nestes últimos anos à volta dessa Região, visto os dois países estarem numa corrida ao armamento.

Os combates que ocorreram este sábado são os mais violentos que conheceu o Nagorno-Karabach desde o cessar-fogo em 1994. Esta pequena região, com 150 000 habitantes, não reconhecida pela comunidade internacional, pertencia ao Azerbaijão durante a época soviética e foi recuperada militarmente pela Arménia durante a guerra de 1988-1994. Nesse período morreram mais de 30 mil pessoas.

O acordo de cessar-fogo assinado em 1994 pôs fim ao conflito, mas deixou por resolver o estatuto político do Nagorno-Karabach. Este território encontra-se dentro do Azerbaijão, e o controlo político bem como militar é exercido pelos rebeldes arménios, apoiados pelo Governo da Arménia.

A Rússia já reagiu

O presidente russo, Vladimir Putin, apelou a um “cessar-fogo imediato” e chamou à atenção para “evitar que haja vítimas“.

Os ministros russos dos Negócios Estrangeiros, Sergueï Lavrov, e da Defesa, Sergei Shoigu, telefonaram aos seus homólogos dos dois países para tentarem pôr fim às hostilidades.

O Azerbaijão anuncia 12 mortos

Doze soldados azeris morreram durante os combates e um helicóptero foi abatido“, anunciou um comunicado do ministério azeri da Defesa.

Segundo esse mesmo comunicado teriam sido abatidos mais de cem soldados arménios. Uma notícia que ainda não foi confirmada pelo Governo da Arménia. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA