Chefe da CIA rejeitará uso de tortura mesmo sob ordem presidencial

(AFP)

O director da CIA, John Brennan, prometeu que a agência de inteligência não usará as polémicas técnicas de interrogatório contra os suspeitos de terrorismo, como por exemplo a simulação de afogamento (também conhecida como submarino), mesmo que um novo presidente as ordene.

“Não aceitarei o uso de algumas destas tácticas e estas polémicas técnicas”, disse Brennan em uma entrevista à NBC News que será transmitida nesta segunda-feira.

As declarações de Brennan podem ter consequências na corrida pela Casa Branca. O candidato republicano Donald Trump disse que, se for eleito presidente, deseja modificar as leis que proíbem o uso da tortura nos Estados Unidos.

“É claro, não aceitarei que um agente da CIA execute novamente o submarino (simulação de afogamento)”, disse Brennan.

O governo de George W. Bush proibiu em 2006 a prática do submarino depois do escândalo por sua utilização, especialmente na CIA, contra suspeitos de terrorismo.

Trump, favorito para conquistar a indicação presidencial republicana, realizou recentemente uma série de comentários polémicos sobre a luta dos Estados Unidos contra o grupo Estado Islâmico (EI) e outras organizações jihadistas.

O candidato disse que o submarino “está bem, mas não dura tempo suficiente”. No ano passado havia afirmado que caso fosse presidente ordenaria eliminar as famílias dos suspeitos de terrorismo. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA