Banif: ministro nota “deficiência” de Bruxelas no processo de resolução

(LUSA)

O ministro das Finanças, Mário Centeno, apontou na quinta-feira para falhas da Comissão Europeia no âmbito do processo de resolução do Banif, considerando que as questões de concorrência se sobrepuseram à salvaguarda das finanças públicas portuguesas.

“Há uma certa desconexão entre estas três áreas: concorrência, estabilidade financeira e finanças públicas. A hierarquia de prioridades é muito discutível”, considerou o governante durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao Banif.

“Esta hierarquia é perturbadora da solução que se possa encontrar, porque só nos vamos preocupar com as finanças públicas depois da matéria da concorrência”, realçou.

E reforçou: “Esta análise mais horizontal de prioridades não é feita e é claramente uma deficiência dos processos, sobretudo, quando os processos chegam ao estado a que chegou o processo do Banif”.

Antes, Mário Centeno já tinha revelado que houve algumas soluções propostas pelo Governo português para resolver o problema do Banif que foram chumbados por Bruxelas, como a integração do banco na Caixa Geral de Depósitos (CGD) ou a criação de um banco de transição no âmbito do processo de resolução, à semelhança do que aconteceu com a intervenção pública no Banco Espírito Santo (BES), em Agosto de 2014.

“Isto levou ao resultado que todos conhecemos”, concluiu. (Noticias ao Minuto)

por Lusa

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA