Angola: novos despedimentos na Rádio Eclésia

(DW)

19 jornalistas e pessoal administrativo foram despedidos hoje da Rádio Eclésia, o Sindicato dos Jornalistas insurge-se contra o facto de os visados serem alguns dos mais reconhecidos profissionais e lamenta o silêncio da CEAST.

A Rádio Eclésia, emissora católica de Angola foi criada em 1954, nacionalizada em 1977 e após ter sido devolvida à igreja em 1997 é propriedade da CEAST, a Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe, mas o respectivo decreto nunca foi publicado no Diário da República, situação que cria um vazio jurídico quanto à sua existência, não reconhecida juridicamente pelo Estado angolano.

A Rádio Eclésia tem apenas uma licença provisória para emitir em FM, OM e OC, mas esta limita-se à capital Luanda, pretendendo a estação católica estender o seu sinal a todo o país.

Desde a nomeação em Outubro de 2011 do padre Quintino Kandanji para director da Rádio Eclésia, a sua linha editorial mudou radicalmente e os despedimentos colectivos de jornalistas sucedem-se a pretexto da crise económica.

Teixeira Cândido, presidente do Sindicato dos Jornalistas de Angola “lamenta a indiferença da CEAST…a quem pediu que “a igreja dada a estrutura e o património que tem, pudesse ajudar a rádio a acautelar os empregos dos jornalistas”. Insurge-se contra os 19 despedimentos esta sexta-feira (15/04) – “de alguns dos melhores, mais antigos e jornalistas de referência como José de Belém”.

Teixeira Cândido afirma ainda que “alguns colegas estão a intentar uma acção judicial contra a direcção da Rádio Eclésia, para reclamar indemnizações que a direcção da rádio recusa pagar e sobretudo tentarem manter os seus empregos”. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA