Abertura dos mercados: Bolsas europeias em queda e Brent em alta

(Bloomberg)

As bolsa europeias estão a negociar em queda penalizadas pelo sector automóvel e pelo sector mineiro. Os juros da dívida nacional estão a recuar no mercado secundários Já Brent do Mar do Norte está a subir.

Os mercados em números

PSI-20 soma 0,09% para 5.088,69 pontos

Stoxx 600 perde 0,55% para 347,67 pontos

Nikkei valorizou 1,20% para os 17.572,49 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 11 pontos base para 3,186%

Euro cede 0,13% para 1,1283 dólares

Petróleo em Londres soma 1,46% para 45,18 dólares por barril

Bolsas europeias em queda

Os principais índices europeus estão, esta sexta-feira, 22 de Abril, em queda. Entre as praças que mais recuam está o índice francês, o CAC 40, que desce 0,50%, seguido do germânico DAX, que perde 0,45%. De acordo com a Bloomberg, as acções europeias estão a ser penalizadas pelas construtoras automóveis e pelas companhias do sector mineiro.

Em Lisboa, e depois de uma abertura em queda ligeira, o PSI-20 soma 0,09%. Destaque para as acções do BCP, que somam 5,90% para 4,13 cêntimos. Realizou-se, esta quinta-feira, a Assembleia-Geral do banco liderado por Nuno Amado e os pontos mais discutidos foram aqueles relativos ao reagrupamento das acções. Apesar das intervenções dos pequenos accionistas, todas as propostas foram aprovadas na reunião magna. Contudo, o banco vai avançar com a fusão de 75 acções e não de 193 como tinha sido proposto.

Euro em queda

A moeda europeia está a perder terreno face à divisa norte-americana. O euro desce 0,13% para 1,1283 dólares. Esta evolução tem lugar depois de Mario Draghi ter reiterado que as taxas de juro vão permanecer em níveis baixos por um longo período de tempo. “As nossas políticas funcionam. São eficazes. Dêem-lhes é tempo para funcionar”, atirou o presidente do Banco Central Europeu (BCE), já em resposta às perguntas dos jornalistas. O responsável pela política monetária da Zona Euro defende que “as condições financeiras na Zona Euro melhoraram”, mas salienta que “as incertezas globais persistem” e a inflação poderá mesmo regressar a terreno negativo.

Juros em queda um dia depois do BCE

Após duas sessões em alta, as taxas de juro da dívida soberana portuguesa regressaram às quedas. A “yield” das obrigações a dez anos está a recuar, esta sexta-feira, 11 pontos para 3,186%. De queda é igualmente a tendência registada por Espanha e Itália, mas também pela Alemanha. Os juros a dez anos do país recuam 0,6 pontos para 0,233%, levando o prémio de risco de Portugal face à Alemanha a cair 295,3 pontos.

Petróleo a caminho de ganhos semanais

O preço do barril de “ouro negro” abriu a sessão a valorizar, registando ganhos superiores a 1% em ambos os mercados de referência. O Brent avança 1,28% para os 45,1 dólares e o Western Texas Intermediate (WTI) soma 1,46% para 43,81 dólares. De acordo com os “traders” citados pela Reuters, o aumento de liquidez no mercado está a revelar confiança dos investidores e a sobrepor-se aos sinais de sobreprodução. Contudo, alertam os analistas, a tendência de recuperação ainda não está a ser sustentada por alterações concretas do lado da procura ou da oferta.

Alumínio em alta com optimismo em torno da China

Os preços do alumínio seguem a negociar em alta, a beneficiar do optimismo dos investidores em torno da China. Os preços do metal estão a ser animados pelos dados que apontam para uma recuperação do mercado imobiliário chinês, o que deverá aumentar a procura pelo metal. Os preços completam quatro sessões de ganhos e preparam-se para registar a melhor semana desde 2012. O alumínio soma 0,80% para os 1.635 dólares por tonelada métrica. Metais como o cobre, o zinco e o níquel têm seguido esta tendência positiva.

Destaques do dia

Accionistas do BCP dão luta, mas aprovam todas as propostas. Foi uma assembleia-geral que começou depois de almoço e acabou já perto da hora do jantar. Os pontos mais discutidos foram aqueles relativos ao reagrupamento das acções. Mas, apesar das intervenções dos pequenos accionistas, todas as propostas foram aprovadas.

Nuno Amado analisará “banco mau” mas BCP não conta com ele. O presidente executivo do BCP não nega o recurso a um veículo que liberte os bancos de crédito malparado. Mas, para já, a intenção é reduzir este crédito de forma orgânica, sem ajudas externas.

BCP funde 75 acções em vez de 193. Em plena assembleia-geral, a administração do BCP aceitou alterar o rácio do “stock split”. O Banco Comercial Português vai fundir 75 acções em vez das 193 acções que inicialmente estava proposto

PSI-20 põe o Sol a brilhar na Sonae Capital. Foi há um mês que o índice de referência português conheceu três novas caras. Três estreias nem todas recebidas com o mesmo entusiasmo pelos investidores já que, enquanto o Montepio afundou, a Corticeira Amorim ficou quase igual. Mas a Sonae Capital está a brilhar.

Banco de Espanha vai comprar 50% da dívida das cotadas portuguesas. O BCE manteve inalterada a política monetária, mas avançou com as bases para a compra de dívida de empresas. EDP, REN e Brisa são os alvos nacionais, aos quais Madrid poderá comprar até 6,6 mil milhões.

O que vai acontecer hoje

Reunião na Zona Euro. Os ministros das Finanças reúnem-se em Amesterdão para um encontro informal de dois dias, com o objectivo de discutir a revisão ao resgate da Grécia.

Revisão de “ratings”. Data agendada para possível revisão do “rating” de França e Noruega pela Standard & Poor’s.

Indicadores na Zona Euro. É divulgado o índice de gestores de compras (PMI) compósito da Markit, relativo a Abril [anterior: 53,1 pontos ; estimativa: 53,3 pontos].

Números na habitação. O INE divulga as taxas de juro implícitas no crédito à habitação, relativas a Março. (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA