Religioso defende entrosamento entre igreja e Estado para o bem das famílias

Isidro Baptista - 1º Conselheiro da missão da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos últimos dias (Foto: Lino Guimarães)

As igrejas e o Estado devem estar cada vez mais entrosadas para o bem das famílias angolanas, defendeu nesta segunda-feira, em Luanda, o primeiro conselheiro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (I.J.C.S.U.D.), em Angola, Isidro Baptista.

Em declarações à Angop, Isidro Baptista considerou que o Estado e as igrejas trabalham em prol das famílias, mas as pessoas individualmente têm que ter a consciência de mudar, para o bem da família, frisando que um dos propósitos da igreja é proporcionar o bem-estar de todas as famílias angolanas.

“Temos um programa muito importante, que são as noites familiares, são programas realizados todas as segundas-feiras, visando ajudar as famílias a unirem-se melhor, onde o pai como chefe da família preside este encontro. É uma reunião onde podem discutir de forma aberta os assuntos da família”, disse.

Acrescentou que actualmente, a sociedade está em constante correria, onde a tendência é das famílias viverem um pouco mais distantes dos seus trabalhos, fazendo com que os pais tenham que acordar muito cedo e a verem os filhos somente de noite.

Sublinhou a existência de um programa que ajuda as famílias a unirem-se, com os missionários da igreja, que têm a missão de espalhar o evangelho porta a porta, de formas a aproximar as pessoas, pedindo as famílias a terem os corações abertos para ouvir o evangelho, enquanto factor de união e a fazer com que elas vejam Deus como uma prioridade.

Por outro lado, Isidro Baptista considera que a situação da família angolana tem estado a melhorar, porque o Ministério da Família e Promoção da Mulher, Instituto Nacional da Criança (INAC) e outras instituições do governo trabalham para que isso aconteça.

Lamentou o facto de quase todos os dias escutar situações relacionadas a família, como violações. “Estes assuntos que afectam as famílias têm estado a melhorar porque, além do governo, as igrejas têm estado a fazer a sua parte como instituição religiosa”, garante.

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (popularmente conhecida como a Igreja Mórmon) é uma instituição de fundamentação cristã com características restauracionistas, e a maior denominação originária do Movimento dos Santos dos Últimos Dias.

O nome oficial da igreja se refere a Jesus Cristo como seu líder e à conversão dos fiéis, ou santos, à igreja, na última dispensação — de onde surge a referência aos “últimos dias”. O termo “santos” é a mesma denominação usada na época de Jesus Cristo no Novo Testamento.

A Igreja tem sede em Salt Lake City, nos Estados Unidos e estabeleceu congregações em todo o mundo.

Em 2014, a Igreja relatou um pouco mais de 15,3 milhões de adeptos em todo o mundo, um crescimento de 27,4% comparado ao ano de 2006, onde eram 12,5 milhões de adeptos mundialmente, enquanto em 1990 registavam-se 7,7 milhões.

Actualmente, se converte numa das maiores denominações religiosas cristãs no mundo, fazendo-se presente em cerca de 206 países e territórios dependentes. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA