Reabilitação de parques nacionais estimada USD 150 milhões

Formação de guardas florestais faz parte do programa (Foto: Angop)

O Programa de Reabilitação dos Parques e Áreas de Conservação de Angola, em curso desde 2007, está estimado em 150 milhões de dólares, provenientes do Orçamento Geral de Estado e apoios de parceiros nacionais e internacionais.

Sob égide do Ministério do Ambiente, o programa comporta a construção e recuperação de infra-estruturas dos parques nacionais, num total de nove, formação do pessoal, salvaguarda da palanca negra gigante e outras espécies, assim como a criação de novas áreas de conservação.

De acordo com um documento que Angop teve hoje (segunda-feira) acesso, o programa permitiu a construção de infra-estruturas administrativas nos parques nacionais da Kissama (Luanda), Iona (Namibe), do Bicuar (Huíla), de Cangandala (Malanje) e de Maiombe (Cabinda).

A construção de escolas de formação de fiscais, portarias principais dos parques, herbários, residências turísticas e recuperação dos principais acessos são, entre outras, acções implementadas no quadro deste programa.

No parque nacional do Iona (Namibe), com uma extensão de 5 mil 150 quilómetros quadrados, o projecto do Executivo conta com o co-financiamento do Global Environment Facility (GEF) de dois milhões de dólares, da Comissão Europeia, com quatro milhões de euros, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), com 400 mil dólares e do Governo de Angola, com dois milhões de dólares.

Localizado na parte Sul de Angola, o Iona encontra na zona transfronteiriça Skeleton Coast Park, da República da Namíbia, uma posição geográfica que vai permitir aos dois países a rubricar um acordo de cooperação para a gestão e preservação dessa zona.

Ainda no quadro do referido investimento público, foi possível a recuperação de 415 quilómetros de estradas teraplanadas nos parques da Quissama (Luanda), Cangandala (Malanje), Iona (Namibe), o regional de Chimalavera (Benguela), entre outros.

No Parque Nacional da Quissama, por exemplo, foram construídas infra-estruturas como portão principal, dois herbários, residências turísticas, uma sala multiuso, uma escola de formação de fiscais, além das infra-estruturas administrativas.

No que toca à formação de quadros, desde 2013 o programa permitiu a formação de 16 administradores das áreas de conservação e 450 fiscais e guardas florestais, na sua maioria ex-militares.

Este processo de formação está a ser implementado em colaboração com o Ministério da Defesa Nacionais e dos governos locais.

Com a implementação do programa de reabilitação das infra-estruturas dos parques nacionais, o sector busca fomentar o ecoturismo nas áreas protegidas de Angola, estimadas em 37 focos, mas com a intervenção de investidores nacionais e estrangeiros. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA