Portugal vai apoiar Guiné-Bissau no desenvolvimento turístico

Portugal vai apoiar Guiné-Bissau no desenvolvimento turístico Foto: Lusa/D.R

Portugal e a Guiné-Bissau assinaram hoje um acordo de cooperação na área do Turismo, que visa o apoio ao desenvolvimento do setor daquele país, mas que também poderá ser útil na promoção da expansão dos grupos portugueses.

O acordo foi assinado pelo ministro da Economia português, Manuel Caldeira Cabral, e pelo ministro do Turismo e Artesanato da Guiné-Bissau, Malam Jaura, na BTL – Feira Internacional de Turismo, em Lisboa.

Este “é um protocolo em que um país como Portugal, que tem já uma experiência muito grande no Turismo, vai poder ajudar a Guiné-Bissau a desenvolver a oferta turística. Sabemos que não é fácil, mas sabemos que São Tomé, por exemplo, conseguiu desenvolver uma oferta turística muito interessante e a Guiné-Bissau tem uma natureza generosa, interessante”, explicou o ministro da Economia.

Manuel Caldeira Cabral exemplificou que, neste sentido, “há espaço na área da formação” e “na área da promoção” do destino, por exemplo.

“Os portugueses podem ajudar e as nossas estruturas estão mais desenvolvidas, as nossas escolas de turismo, felizmente, são muito boas e é nesse âmbito que penso que poderá haver uma cooperação interessante com a Guiné-Bissau”, acrescentou o ministro da Economia.

O Turismo “tem sido para muitos países uma porta para o desenvolvimento e não vejo porque no futuro não seja também uma das portas para a Guiné-Bissau, um dos aspetos em que a sociedade se poderá desenvolver e criar riqueza”, disse.

Questionado se esta cooperação poderá também ajudar na internacionalização das empresas portuguesas, o governante português afirmou que: “A longo prazo pode ser”.

“Também pode ser interessante para Portugal no desenvolvimento de projetos com vários outros países africanos, também podemos aprender a promover a cooperação e a expansão dos nossos grupos para outras partes do mundo”, acrescentou Manuel Caldeira Cabral.

Já o ministro da guineense lembrou que “a relação entre Portugal e a Guiné-Bissau tem tido uma evolução constante” e que este acordo de cooperação resulta disso.

“É um acordo para cinco anos e que contempla uma colaboração, que prevê a troca de informação e experiências entre as duas instituições [ministérios] e que prevê igualmente o apoio que Portugal poderá dar-nos em participar e capacitar-nos nas organizações internacionais. Portanto, um acordo abrangente que, efetivamente, será um instrumento importantíssimo para o desenvolvimento do setor turístico da Guiné-Bissau”, afirmou Malam Jaura. (Agência Lusa)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA