Petróleo regressa aos ganhos com reunião da OPEP com a Rússia

(Negocios)

Está a ser preparado um encontro entre OPEP e países externos ao cartel para discutir o excesso de produção que está a inundar o mercado, aliviando a pressão nas cotações da matéria-prima.

O petróleo está de regresso aos ganhos. Após dois dias de quedas com o aumento da produção por parte do Irão, os preços estão a valorizar perante informações obtidas pelas agências noticiosas internacionais de que está a ser preparada uma reunião por telefone entre a Arábia Saudita e a Rússia, isto antes de um outro encontro que poderá ser realizado em meados de Abril.

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, está a subir 1,73% para 36,96 dólares, tendência que está a ser seguida em Londres, pelo Brent, que segue a ganhar 1,11% para 39,17 dólares. Continua, no entanto, aquém dos 40 dólares, fasquia que atingiu recentemente.

Esta subida surge no dia em que tanto a Bloomberg como a Reuters noticiam que está a ser preparada uma reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) com a Rússia, encontro esse onde o tema principal deverá ser a produção.

Ali al-Naimi, o ministro do Petróleo da Arábia Saudita, e Alexander Novak, o ministro da Energia da Rússia, deverão encetar conversações numa reunião telefónica que poderá realizar-se esta quarta-feira, 16 de Março, diz a Bloomberg. Esta informação foi obtida através de uma fonte que não é identificada.

A conversa telefónica antecederá um outro encontro entre a OPEP e outros produtores de petróleo que não pertecem ao cartel que deverá, diz a Reuters, acontecer em Doha em meados do próximo mês. A agência aponta para o dia 17 de Abril.

Nas últimas semanas têm sido alcançados acordos para congelar a produção de petróleo numa altura em que o mercado está a ser inundado de barris. A fraca procura, associada a esta oferta elevada, tem mantido as cotações sob pressão, mas estas negociações permitiram que os preços recuperassem no último mês e meio. O barril chegou a 26 dólares em Janeiro. (Jornal de Negocios)

por Paulo Moutinho

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA