Oposição diz que Cuba libertou dissidentes como ‘presente’ para Obama

(AFP)

A poucos dias da visita do presidente Barack Obama a Cuba, Havana libertou e facilitou nesta semana a viagem para os Estados Unidos de quatro dissidentes que haviam voltado para a prisão depois de serem libertados em 2014, segundo opositores.

Os dissidentes Niorvis Rivera, Aracelio Riviaux, Vladimir Morera e Jorge Ramírez “foram tirados de suas prisões na terça-feira e levados para a cadeia do Combinado del Este (em Havana), onde foram realizados os trâmites migratórios, e viajaram neste mesmo dia aos Estados Unidos”, declarou à AFP o opositor José Daniel Ferrer.

Ferrer, um dos dissidentes cubanos que foram convidados a participar na próxima terça de uma reunião com Obama, disse que a Igreja católica cubana actuou como mediadora nessas libertações, que classificou como “um presente para Obama”, e destacou que um quinto dissidente, Yohannes Arce, esperava nesta quinta-feira em Havana para viajar para os Estados Unidos.

“Isso é um presente, um obséquio muito controvertido moralmente para o presidente americano. O regime cubano sente que o melhor para negociar são os prisioneiros políticos”, enfatizou Ferrer, que dirige a União Patriótica de Cuba (Unpacu, ilegal).

“Niorvis não queria ir sem sua família e prometeram que sua família viajará num prazo de dez a 15 dias”, afirmou, acrescentando que assim aceitou as condições.

Os quatro dissidentes libertados fazem parte de um grupo de 53 presos libertados em Dezembro de 2014 dentro do histórico degelo que levou Havana e Washington a retomar suas relações em Julho passado, depois de meio século de inimizade.

No entanto, um ano depois, foram presos novamente.

O filho de Morera, Vladier, explicou que seu pai realizou uma greve de fome de mais de 80 dias, está bem e satisfeito, mas “continua padecendo das sequelas de seu prolongado jejum”.

Cuba nega ter presos políticos e atribui as detenções de dissidentes a violações do código penal. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA