Mulher morta e 3 polícias baleados em tiroteio na Ameixoeira

(ANTÓNIO COTRIM/LUSA)

Uma mulher morreu e 5 pessoas ficaram feridas, entre os quais três polícias, durante um tiroteio na Ameixoeira. A rixa terá sido provocada por uma discussão entre famílias de etnia cigana.

Uma mulher morreu durante um tiroteio na Ameixoeira. A mulher de etnia cigana morava no local e foi enviada para o Hospital de Santa Maria quando foi atingida por tiros, mas a informação ainda é escassa. A rixa provocou mais cinco feridos – três polícias e duas mulheres. De acordo com a informação transmitida pela TVI24, o tiroteio terá começado durante uma discussão entre famílias de etnia cigana.

Neste momento, os membros de investigação criminal estão a efetuar buscas nos prédios da zona para encontrar e identificar os autores deste disparos, que começaram às 19h40 na Rua António Vilar. A polícia estará a entrar de edifício em edifício à procura dos envolvidos no incidente. Ainda não houve detenções confirmadas.

Os ferimentos terão sido provocados por tiros de caçadeira, mas estes dados ainda não foram confirmados pelas autoridades. De acordo com as informações dadas ao Observador pelo Comando da PSP, há três polícias no Hospital de Santa Maria, em Lisboa. Terão sido atingidos enquanto tentavam travar o conflito. A TVI reporta que esses polícias baleados estão fora de perigo.

A Alta de Lisboa é um bairro do concelho de Lisboa que abrange uma área de 300 hectares a Norte da Segunda Circular e a poente do Aeroporto da Portela. O bairro está dividido em duas freguesias, o Lumiar e Santa Clara, composta por Ameixoeira, zona onde se deu o incidente, e Charneca.
O projeto da Alta de Lisboa teve início em 1984 a partir de uma parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa com a Sociedade Gestora da Alta de Lisboa. É uma zona onde habitam moradores provenientes de diferentes classes sociais e desde a criação do projeto existem vários problemas neste bairro relacionados com a criminalidade e o tráfico de droga.

Pelo menos um dos cinco feridos foi atingido na cabeça e está em observação. Os polícias feridos – com idades compreendidas entre os 35 e os 42 anos – faziam parte da Brigada de Investigação Criminal e estariam vestidos à civil. Quando as rixas começaram, as autoridades atuaram e terá sido por isso que foram baleados.

À chegada ao local, a polícia está a pedir aos jornalistas que não se aproximem muito do local do tiroteio porque “o ambiente está tenso”. Uma jornalista do Observador na Alta de Lisboa indica que há pessoas a gritar para os jornalistas e para os carros das equipas dos meios de comunicação social. O bairro, que já tem historial de situações semelhantes, está praticamente cercado pela polícia. (OBSERVADOR)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA