MPLA prima pela igualdade e imparcialidade do género, vice-presidente

Vice -Presidente do MPLA,Roberto de Almeida (Foto: Pedro Parente)

O MPLA tem vindo a defender uma política de igualdade e imparcialidade do género que o Executivo implementa com base em valores e princípios definidos pela Constituição da República de Angola, afirmou nesta quinta-feira, em Luanda, o seu vice-presidente, Roberto de Almeida.

Discursando na abertura do VI Congresso Ordinário da Organização da Mulher Angolana (OMA), o responsável disse que “pretendemos construir uma sociedade assente na igualdade do género que respeite e valorize os direitos das mulheres e incentive os valores culturais positivos.

Este desiderato, segundo Roberto de Almeida, deve passar pela promoção da solidariedade, a não discriminação e a participação efectiva das mulheres nas esferas da vida política, pública, económica e social, com vista a atingir o desenvolvimento sustentável.

“Isto impõe, por outro lado, a adopção de um conjunto de medidas e acções destinadas a combater as desigualdades do género, como vem sendo preconizado pelo nosso partido, que tem orientado o governo no sentido de elaborar políticas, programas e projectos que assegurem a igualdade de direitos e oportunidades para homens e mulheres a todos os níveis da sociedade, da comunidade e da família”, realçou.

Observou que graças a acção dinamizadora da OMA, a mulher angolana tem obtido êxitos significativos na sua luta pela igualdade do género, como atestam os números referentes à participação feminina nos órgãos de decisão ao nível do Parlamento, do Executivo, dos tribunais, dos governos provinciais e das direcções das empresas públicas e privadas.

Neste sentido, Roberto de Almeida exemplificou que na actualidade, cerca de 45 porcento dos estudantes nos três subsistemas de ensino são do sexo feminino, notando que a OMA tem desenvolvido um trabalho digno de realce no domínio da alfabetização, particularmente junto das mulheres.

A sessão de abertura do evento foi assistida pelo Presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, por membros do Bureau Político e do Comité Central deste partido, entre outros convidados nacionais e estrangeiros.

O conclave da OMA, que decorre sob o lema “Mulher angolana, firme pela igualdade e bem-estar social”, conta com a presença de mil e 600 delegadas provenientes das 18 províncias do país e do estrangeiro.

Durante os trabalhos, a decorrer até sábado, os congressistas vão discutir e analisar o relatório sobre o processo orgânico da organização, das actividades de 2011-2015 e do próximo mandato (2016-2021), bem como a eleição da secretária-geral e do Comité Nacional da OMA. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA