Metas inicialmente preconizadas para desenvolvimento estão aquém – José Eduardo dos Santos

Presidente do MPLA,José Eduardo dos Santos (Foto: Pedro Parente)

O presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, reconheceu hoje (sexta-feira), que as metas inicialmente preconizadas para o desenvolvimento do país ficaram muito aquém dos resultados pretendidos no que toca ao aumento da produção, eficiência das empresas públicas e do funcionamento do sector bancário.

José Eduardo dos Santos, que discursava na abertura da 11º sessão ordinária do Comité Central do MPLA, acrescentou que idêntica situação se registou em relação ao apoio ao empresariado angolano, assim como ao enquadramento dos quadros recém-formados.

“ Enquanto o partido e o Executivo aprovaram uma estratégia para dar soluções dos problemas que decorrem da redução das receitas em divisas, é no quadro da execução dessa estratégia que temos de, por um lado, aplicar as medidas necessárias para a superação do incumprimento das metas que foram detectadas no balanço preliminar e, por outro lado, apelar aos angolanos, e em particular aos empresários, para agirem com particular urgência na diversificação das nossas exportações “, frisou.

De acordo com o presidente do MPLA, este pressuposto visa aumentar as receitas em divisas e bens de consumo, especialmente os de primeira necessidade, tendo como objectivo a satisfação plena das necessidades da população.

José Eduardo dos Santos sublinhou que tem de se prestar mais atenção ao desempenho dos quadros, aos quais foram confiadas tarefas de gestão, assim como combater com mais firmeza a gestão económica danosa ou irresponsável nas empresas públicas, aliado à falta de disciplina na execução dos orçamentos afectos aos serviços da administração pública central e local.

“Devemos reforçar também a fiscalização ao nível do Executivo, uma vez que, nos termos da lei, ela não deve ser feita pela Assembleia Nacional, temos de tomar providências para colocar no aparelho governativo quadros que tenham sentido de responsabilidade e a consciência necessária para o partido fazer cumprir a sua orientação para o desenvolvimento de instituições do Estado “, sublinhou.

A 11ª Sessão do Comité Central discute, entre outros assuntos, a apreciação do Relatório do Bureau Político ao Comité Central sobre a actividade desenvolvida no ano de 2015 com parecer da Comissão de Disciplina e Auditoria do órgão partidário.

Figuram ainda na agenda de trabalhos a discussão do Relatório de Balanço da actividade desenvolvida pela Comissão de Disciplina e Auditoria do Comité Central durante o ano de 2015, bem como a análise do projecto de resolução sobre as percentagens e as quotas aplicáveis na indicação de candidatos para a continuidade e para a renovação.

Estarão ainda em debate as propostas de ajustamentos a introduzir nos estatutos do MPLA e a apreciação da informação sobre os resultados do 6º congresso ordinário da OMA, realizado de 3 a 5 de Março, em Luanda. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA