‘Lula não vem para fugir da Justiça’, diz Cardozo sobre cargo a petista

Cardozo negou que o governo esteja dando abrigo para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fugir da Justiça (Foto: Divulgação)

Caso aceite o convite, o ex-presidente passaria a ter foro privilegiado e, consequentemente, o inquérito aberto pela Operação Lava Jato para investigá-lo passaria à responsabilidade do STF

O ministro José Eduardo Cardozo (Advocacia-geral da União) negou que o governo esteja dando abrigo para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fugir da Justiça, caso ele aceite assumir uma cadeira no Executivo federal.

Lula estaria prestes a aceitar o convite para comandar um ministério. Com isso ocorra, ele passaria a ter foro privilegiado e, consequentemente, o inquérito aberto pela Operação Lava Jato para investigá-lo sairia das mãos do juiz Sergio Moro e passaria à responsabilidade do STF (Supremo Tribunal Federal).

Cardozo, em café da manhã com jornalistas nesta terça-feira (15), disse que Lula acrescentaria a “qualquer governo no mundo”.

“Ele não vem para fugir da Justiça. A eventual presença dele (Lula) não se refere a blindagem criminal. Trata-se de uma pessoa que pode contribuir muito. Seria ofensivo (com o STF) dizer que ele esta sendo nomeado para ser blindado, até porque ministros estão submetidos ao foro do STF”, afirmou.

O comandante da AGU voltou a afirmar que não há fato para justificar o pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff e que não concorda com a possibilidade de a oposição fazer um aditivo à peça original, incluindo informações prestadas em delações premiadas.

“A admissibilidade (do impeachment) foi feita pelo pedido original”, justificou.

Perguntado se presidentes da República devem responder por pedidos de propina feitos por seus tesoureiros de campanha, Cardozo esquivou-se.

“Nessas situação, há de se analisar caso a caso […]. Posso dizer é que não tem como haver impeachment sem provas de responsabilização da presidente, como estão querendo fazer com a presidente Dilma”, defendeu. (Diário do Litoral)

por Folhapress

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA