KADY ao vivo dia 1º de Abril no B.LEZA (vídeo)

Kady (DR)
A vida é feita de muitos caminhos. De caminhos que se escolhem ou de caminhos que já estão previamente traçados. Ou, por vezes, uma mistura das duas coisas. No caso da cantora, compositora e letrista cabo-verdiana Kady, pode dizer-se que os caminhos que a levaram à música e à gravação do seu primeiro álbum deve tanto ao destino quanto às suas escolhas pessoais, à tradição familiar quanto à sua vontade em trilhar percursos alternativos nessa música, nessa vida, que tem Cabo Verde como origem mas o mundo inteiro como meta. “Kaminho”, o seu maravilhoso e surpreendente álbum de estreia, é o mapa de tudo aquilo que Kady Araújo já viveu na música – e é muito – e aquilo que deseja vir ainda a viver – que é muito mais ainda. Um mapa em que se encontram rotas e rumos, caminhos enfim, que viajam entre a música de Cabo Verde e géneros universais como a soul, o jazz, o funk, o hip-hop ou o R&B. Mas sempre cantada na sua língua-mãe, o crioulo.
Kady nasceu e cresceu na Cidade da Praia, rodeada de música. A mãe, Terezinha Araújo, foi fundadora e cantora permanente do seminal grupo Simentera – ao lado de outras figuras proeminentes da música tradicional cabo-verdiana como Tété Alhinho e Mário Lúcio. Feito de experiências e de escolhas, de cumplicidades e afectos, “Kaminho” junta o melhor da música cabo-verdiana cantada no crioulo deste país às grandes músicas negras norte-americanas, frutos diversos mas irmãos da mesma árvore africana. Ao seu lado está uma constelação de vários músicos oriundos do universo da lusofonia: os cabo-verdianos Djodje (guitarra), Dodas Spencer (guitarra), Paló Figueiredo (cavaquinho), Khaly Angel (teclas) e o seu irmão Sori Araújo (guitarra), os guineenses Manecas Costa (guitarra) e Braima Galissá (kora), o angolano Ndu (percussões), os portugueses Ivo Costa (bateria), Alexandre Manaia (teclas) e André Moreira (baixo) e o brasileiro Gileno Santana (trompete).
Dia 1 De Abril, o melhor “Kaminho” será certamente no B.Leza. Um concerto a não perder!

(nota enviada à nossa redacção com pedido de publicação)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA