Joice Mujuru: “Mugabe é um espírito vivo”

Joice Mujuru (esq.) e Presidente zimbabueano, Robert Mugabe (Getty Images)

A ex-vice-presidente do Zimbábue criou um partido para enfrentar Robert Mugabe. Numa entrevista exclusiva, mostra-se perplexa por a acusarem de querer matar o Presidente zimbabweano. “Temos sorte” por estar vivo, diz.

Joice Mujuru fez parte do Governo do Presidente Robert Mugabe durante mais de 30 anos. Mas, no final de 2014, foi afastada do cargo de vice-presidente. Depois de rumores de que estaria a conspirar contra o chefe de Estado, também foi expulsa do partido no poder, a União Nacional Africana do Zimbábue – Frente Patriótica (ZANU-PF, na sigla em inglês).

Agora, Mujuru criou o partido “O Povo do Zimbábue Primeiro” (ZPF, em inglês), com que pretende fazer oposição ao Governo.

“‘O Povo do Zimbábue Primeiro’ percebeu que as aspirações das pessoas não estão a ser concretizadas por causa da forma como o Estado de Direito está ser destruído”, afirma Mujuru numa entrevista exclusiva à DW África. “A revolução foi esquecida, enterrada e os combatentes da liberdade estão irritados com isso.”

Joice Mujuru fez parte do Governo do Presidente Robert Mugabe durante mais de 30 anos. Mas, no final de 2014, foi afastada do cargo de vice-presidente. Depois de rumores de que estaria a conspirar contra o chefe de Estado, também foi expulsa do partido no poder, a União Nacional Africana do Zimbábue – Frente Patriótica (ZANU-PF, na sigla em inglês).

Agora, Mujuru criou o partido “O Povo do Zimbábue Primeiro” (ZPF, em inglês), com que pretende fazer oposição ao Governo.

“‘O Povo do Zimbábue Primeiro’ percebeu que as aspirações das pessoas não estão a ser concretizadas por causa da forma como o Estado de Direito está ser destruído”, afirma Mujuru numa entrevista exclusiva à DW África. “A revolução foi esquecida, enterrada e os combatentes da liberdade estão irritados com isso.”

“Temos sorte” por Mugabe estar vivo

As vozes mais críticas dizem que Joice Mujuru está a cometer um erro táctico ao adoptar o que chamam de “postura suave” em relação ao seu antigo partido e ao Presidente Mugabe, de 92 anos, que controla o país com mão de ferro há mais de três décadas.

Mas a antiga vice-presidente esclarece que o espírito do partido é outro. “Não promovemos o discurso do ódio e não retaliamos. Na minha cultura, não se levanta a mão contra um homem ou uma mulher com a idade da nossa mãe ou do nosso avô. [Mugabe] é um espírito vivo e temos sorte por estar vivo”, afirma Mujuru. “Por vezes, pergunto-me como é que este país quase acreditou que eu o queria matar.”

Críticas

Quando confrontado com as palavras de Mujuru, já publicadas no site da DW África em inglês, o partido no poder atacou a ex-vice-presidente. O governante zimbabweano Jonathan Moyo escreveu na rede social Twitter que, “sem o nome do falecido general Mujuru [marido da líder do ZPF] e o Presidente Mugabe, Joice não seria ninguém politicamente”.

Caesar Zvayi, editor do jornal “The Herald”, detido pelo Governo, disse que os comentários de Joice Mujuru eram uma ofensa ao Governo.

“Não se pode dizer que Mugabe é um espírito enquanto ele está vivo”, comentou Zvayi em entrevista à DW África. “Na nossa tradição, só nos tornamos espíritos quando morremos.”

Mas Eddie Cross, membro do Movimento para a Mudança Democrática, não estranha os ataques a Mujuru, que a ZANU-PF vê como ameaça. Ser opositor no Zimbábue “não é muito agradável”, diz Cross, que já foi detido e espancado: “Já me tentaram matar três vezes.”

O opositor considera que, se Mujuru levar a melhor na contra-ofensiva ao partido no poder, poderá conquistar uma posição de peso nas próximas eleições presidenciais. Mas a líder do ZPF tem de se preparar para o confronto, alerta Cross. (DW)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA