Importância do património cultural imaterial reside nos valores intrínsecos

Cornélio Caley - Secretário de Estado da Cultura (Foto: Gaspar dos Santos)

A importância do património cultural imaterial reside nos seus valores intrínsecos, por inspirar sentimentos de pertença e de identidade, disse hoje, quarta-feira, em Luanda, o secretário de Estado da Cultura, Cornélio Caley.

O responsável teceu tais declarações quando intervinha no acto de abertura o do 2º workshop sobre a Salvaguarda do Património Imaterial, que decorrerá até ao dia 19 deste mês, numa iniciativa do Ministério da Cultura, através do Instituto Nacional do Património Cultural (INPC), que conta com apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

Referiu ainda que o património imaterial estabelece também uma ligação entre o passado, o simbólico, perpassa o presente e apontado para o futuro.

O encontro, ressaltou, tem o objectivo geral a preservação do património cultural imaterial em Angola, cujo processo de listagem está em curso.

Outro dos propósitos do evento, reforçou, é sensibilizar os vários sectores da sociedade de forma a estarem implicados nas tarefas de preservação, valorização e divulgação do património imaterial do país.

“Na senda das recomendações da Unesco, que nos estimula a desenvolver acções de formações para a salvaguarda do património Imaterial, e das directivas estabelecidas na política cultural do país devemos continuar com a campanha de sensibilização e consciencialização de todos os actores ligados directa e indirectamente ao assunto, para preservação da identidade cultural nacional”, argumentou.

Este workshop, explicou, tem duas vertentes, a parte teórica e o trabalho prático, no qual está previsto o levantamento do património imaterial e o inventário piloto, a decorrer na Ilha do Cabo, em Luanda.

Exortou aos delegados ao encontro no sentido de terem uma participação activa e entusiástica, de forma a obterem elementos suficientes que servirão de base de acção a serem aplicadas nos seus trabalhos no país.

Participam no seminário técnicos angolanos, são-tomenses, moçambicanos e brasileiros. (ANGOP)

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA