Forças militares da Tunísia repeliram ataques terroristas

Forças especiais tunisinas em Ben Guerdane (DR)

Ataques jihadistas ocorreram nesta segunda-feira em Ben Guerdane, na Tunísia, causando pelo menos 55 mortos (36 extremistas, 12 membros das forças de segurança, e 7 civis). O Presidente tunisino, Habib Essid, afirmou que os autores dos ataques queriam estabelecer um “emirado” do auto-proclamado Estado Islâmico.

Os ataques, coordenados e quase simultâneos, ocorreram ao amanhecer, e tinham como alvos um quartel do exército, uma esquadra da polícia, e um posto da guarda nacional, em Ben Guerdane, localidade situada a poucos quilómetros da Líbia.

As forças armadas tunisinas conseguiram repelir os ataques, duma extrema violência e sem precedentes neste País, e o Governo estima ter ganho “uma batalha”.

O presidente francês, François Hollande, expressou o apoio da França à Tunísia, “que mais uma vez foi visada porque é um símbolo”.

Francisco Freire, investigador no C.R.I.A. ( Centro em Rede de Investigação em Antropologia), e especialista em culturas saarianas, explica que o ataque de ontem, na Tunisia, prova as dificuldades de estabilização política pós – Ben Ali. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA