FBI desbloqueou iPhone de atacante sem a ajuda da Apple

Imagina como é o iPhone 5 por dentro? (Reuters)

Terminou o braço de ferro entre a polícia federal dos EUA e a empresa tecnológica presidida por Tim Cook, uma vez que, com este acesso, o Departamento de Justiça já não precisa da assistência que a Apple não queria dar.

A polícia federal dos EUA (FBI, na sigla em Inglês) conseguiu desbloquear o iPhone usado por um dos atacantes de San Bernardino, revelou hoje o Departamento de Justiça, terminando um processo judicial conflitual com a Apple.

A nossa decisão de terminar a litigância (com a empresa) deveu-se exclusivamente, com a assistência recente de uma terceira parte, a sermos agora capazes de desbloquear este iPhone sem comprometer qualquer informação no telefone”, afirmou a procuradora Eileen Decker, em comunicado.

Com este acesso ao aparelho pelo FBI, o Departamento de Justiça já não precisa da assistência da Apple para desbloquear o aparelho, que esta não queria dar.

Tudo começou quando a 16 de fevereiro a juíza federal Sheri Pym ordenou à Apple que ajudasse os agentes do FBI a aceder aos dados do telefone do atirador de San Bernardino. Recorde-se que o tiroteio, que fez 14 mortos e 20 feridos, está a ser investigado como terrorismo.

Mas a empresa tecnológica, presidida por Tim Cook, recusou cumprir a ordem judicial, por considerar que isso iria pôr em causa a segurança de todos os seus telemóveis.

O FBI quer fazer uma nova versão do sistema operativo do iPhone, eliminando várias barreiras de segurança, de modo a aplicar num iPhone que é prova numa investigação. O governo está a pedir à Apple para piratear os seus próprios clientes e que deite por terra os avanços feitos em matéria de segurança para proteger os clientes”, disse, na altura, Tim Cook.

Em causa está uma ferramenta de segurança de que os aparelhos da Apple foram munidos após o escândalo Edward Snowden, sobre o acesso às comunicações por parte do governo. (TVI24)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA