Cuando Cubango: Cidadão sobrevive ao ataque de um lobo

Cidadão atacado está fora de perigo (Foto: Armando Morais)

Um cidadão de 55 anos, identificado por Miguel Tomás Cassanga, sobreviveu depois de ter sido atacado por um lobo, na comuna do Tchinguanja, município do Cuchi, província do Cuando Cubango.

Em declarações esta terça-feira, à Angop, no hospital provincial do Cuando Cubango, onde recebe assistência médica e medicamentosa, Miguel Tomás Cassanga narrou que tudo aconteceu por volta das 16 horas do dia 11 do mês corrente, quando saia da escola e se dirigia, a pé, na vila comunal, numa distância de oito quilómetros.

Informou que durante a trajectória, sentiu um movimento estranho no caminho por onde passava, tendo arremessado, em seguida, o casaco que levava no ombro para se proteger da chuva, por forma a espantar o possível perigo, continuando com o seu percurso normal.

Pouco tempo depois, continuou, viu, na sua direcção, o animal no caso o lobo, furioso e imediatamente começou a atacar o homem, dando-lhe um empurrão e arrastando-lhe ao chão, com a boca do animal apertando as mãos do cidadão.

Na sequência, o animal desferiu fortes mordeduras na cabeça e nádegas do homem, que já sem reacção e quase desfalecido, foi abandonado no local.

Ao notar a desistência do animal, referiu, consegui levantar e, cambaleando, chegou até perto da sede comunal, onde passou a receber os primeiros socorros.

No dia seguinte, 12 de Março, foi levado até a sede municipal do Cuchi, onde as autoridades administrativas, através da ambulância dos serviços de saúde, o evacuaram para o hospital provincial do Cuando Cubango.

Até ao momento, o cidadão garantiu que a assistência prestada tem sido boa e recupera-se paulatinamente.

O médico em serviço, Garcia Malemene, disse que de Janeiro a Março do presente ano o hospital registou três casos de doentes atacados por jacarés, porém o ataque do lobo constitui a primeira ocorrência.

Garantiu que, apesar dos inúmeros ferimentos, o doente foi submetido apenas a uma pequena cirurgia e não precisou de transfusão de sangue. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA