Chineses fazem carro híbrido super desportivo e tem autonomia de 2000 km

(DR)

O Salão do Automóvel de Genebra funciona como a montra dos produtos mais sofisticados que a indústria tem para oferecer. Nesta montra de produtos de futuro e ofertas atuais a abundância é tal que por vezes projetos interessantes acabam por passar despercebidos, o mais recente exemplo disso é a do carro híbrido chinês da TechRules que incorporando tecnologia da aviação e de automóveis híbridos promete autonomia de 2 mil quilómetros (pasme-se!).

Sedeada em Pequim a marca mostrou dois protótipos em Genebra, ambos superam a marca do milhar de cavalos e 2,5 segundos de aceleração dos 0 aos 100 km/h e comprovados em testes no circuito de Silverstone. Esta marca aproxima-o do Bugatti Chiron, o mais rápido automóvel da atualidade.

Para conseguir a autonomia elétrica recorde, que supera em 10 vezes a autonomia dos automóveis elétricos atuais, a TechRules recorre a uma microturbina que recarrega a bateria que alimenta os motores elétricos. Esta microturbina funciona como o motor térmico de um automóvel híbrido e tem design fortemente inspirado na indústria aeronáutica. Como a turbina funciona apenas para aumentar a autonomia, esta tecnologia foi batizada de TREV (Turbine Recharging Electric Vehicle, em inglês).

Os dois protótipos apresentados variam no combustível a que recorre cada um deles: uma das versões utiliza combustível de avião e a outra gás natural ou biogás.

Sem colocar a turbina em funcionamento o carro da TechRules consegue 150 km de autonomia puramente elétrica, mas com o depósito de 80 litros de capacidade atestado o carro consegue percorrer cerca de 2 mil quilómetros como promete o fabricante.

Ao todo são 6 os motores ligados às rodas: um em cada roda do eixo dianteiro e dois em cada roda do eixo traseiro. O peso total é de 1380 kg (pouco mais do que um BMW i3) e é obtido graças à carroçaria integralmente fabricada em fibra de carbono.

A tecnologia agora mostrada poderá ser exportada pela TechRules para automóveis com outros formatos mais convencionais, como por exemplo automóveis citadinos, urbanos ou familiares. (AutoBlog)

por André Torres

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA