Cabo Verde sem capacidade para receber demanda crescente de turistas

Stand de Cabo Verde na ITB 2016 (DW)

Falta de camas tem sido constrangimento para o setor. Durante a ITB, CI – Agência de Turismo e Investimentos de Cabo Verde admite problema e garante ainda que não houve cancelamentos massivos devido à epidemia do Zika.

Ataques terroristas em locais turísticos que vitimaram viajantes e a instabilidade gerada por conflitos internos em alguns países fizeram desacelerar o interesse dos visitantes por países do Norte de África. Tunísia e Egito, por exemplo, viram a demanda cair. O mesmo aconteceu também com a Turquia.

Durante a 50ª edição da Feira Internacional de Turismo de Berlim (ITB), que terminou este domingo (13.03) na capital alemã, a expectativa do mercado era de que destinos percebidos como seguros se beneficiem deste cenário.

Seria o caso de Cabo Verde, que em 2015 registrou um aumento de 5,5% no volume de hóspedes, em relação 2014.

Mas apesar de disponibilizar 18.055 camas, o país não tem capacidade para absorver a crescente demanda, admite Débora Abu-Raya, administradora executiva da CI – Agência de Turismo e Investimentos de Cabo Verde.

“Ninguém gosta de perder cliente. Agora, obviamente também que a construção de camas não é o que acontece de um dia para o outro. Se calhar, uma onda que a gente poderia apanhar, já teremos que trabalhar mais, quando tivermos as camas, a nível de promoção,” avalia.

Segundo a CI, quatro investimentos em curso devem resultar em mais de 1.500 novas acomodações até o fim de 2017.

Epidemia do Zika não afetou o setor

Outro fator que tem preocupado as autoridades caboverdianas é a epidemia do vírus Zika que se registra no país, onde desde outubro do ano passado já foram registrados 7.373 casos suspeitos – segundo os últimos dados.

Mas Débora Abu-Raya garante que não houve cancelamentos massivos de reservas devido à epidemia.

“O que mais a gente tem tentado, é evitar que circule informação que seja demasiado alarmista, que não vá traduzir o que na realidade está acontecendo em Cabo Verde. As ilhas turísticas, mesmo tendo havido casos em Boa Vista, não chegou a um caso de alerta muito grande, não,” defende.

Aumentam entradas de alemães em STP

São Tomé e Príncipe tem colhido frutos das participações na ITB. Sobretudo nos últimos dois anos, o número de entradas de visitantes provenientes da Alemanha aumentou e o país está agora entre os seis maiores emissores de turistas para as ilhas santomenses.

Segundo a diretora do Turismo, Mirian Daio. O trabalho na ITB tem focado o perfil desses turistas, “mais ligado à natureza e que buscam pequenos alojamentos que preservam as características locais”.

“Começamos a perceber mais o que eles buscam, onde estão mais satisfeitos e estamos a moldar alguns produtos em função disto,” acrescenta Daio.

Este ano o país investe não apenas no stand na Feira Internacional de Turismo de Berlim, mas contratou uma assessoria de marketing na Alemanha.

“Nós já tivemos algumas ações de apresentação do destino ao nível de várias cidades em Alemanha, junto aos operadores, junto aos média. Essa assistência vai garantir o nosso contato permanente com essa imprensa e com esses operadores de forma a termos efetivamente resultados,” revela a diretora do Turismo.

Outros PALOP na ITB

O ministro do Turismo da Guiné-Bissau, Malam Djaura, também marcou presença na ITB. Segundo a Embaixada do país em Berlim, ele participou dos painéis da feira para obter informações atuais sobre o setor e dar a conhecer a realidade guineense.

Angola, que havia retornado à ITB em 2012 depois de dois anos de ausência, não teve um stand na Feira Internacional de Turismo de Berlim este ano.

Já Moçambique manteve seu stand no pavilhão África.

Os organizadores da Feira Internacional de Turismo de Berlim anunciaram que o Botswana será o país parceiro da ITB em 2017. Pela primeira vez, um país da África Austral estará em foco em um dos eventos internacionais mais importantes para o setor turístico. (DW)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA