Brasil reitera apoio a iniciativa da Angola Cables de ligar os dois países por cabo submarino

ANTÓNIO NUNES (Foto: D.R.)

O Governo brasileiro reiterou o seu apoio ao projecto da empresa Angola Cables de ligar Angola ao Brasil e consequentemente a América do Sul, no quadro do Sistema de Cabos do Atlântico.

A posição do Governo brasileiro foi manifestada ao embaixador de Angola no Brasil, Nelson Cosme durante um encontro mantido segunda-feira com o ministro de Estado e das Comunicações brasileiro, André Figueiredo, que na oportunidade voltou a assegurar o apoio brasileiro aos projectos da Angola Cables no Brasil que visam gerenciar o cabo submarino de fibra óptica de 6,6 mil quilómetros que ligará Luanda a Fortaleza.

O Projecto permitirá de forma inédita aproximar via comunicações o continente africano á América do Sul num primeiro momento e numa etapa posterior conectar África a América do Norte, quando estiver em funcionamento o Sistema Monet, através da ligação de Fortaleza com passagem por Santos e conexão a Miami nos Estados Unidos, numa iniciativa de um consórcio que integra a Angola Cables, a Algar Telecom, a Google e a Antel do Uruguai.

O projecto da Angola Cables é transformar a cidade de Luanda numa placa giratória das comunicações entre África e a América criando assim rotas alternativas as actuais cuja maioria passa pela Europa.

O presidente do Conselho de Administração da Angola Cables, António Nunes, presente ao encontro com o ministro brasileiro das Comunicações, fez um ponto da situação dos projectos da sua empresa no Brasil, nomeadamente a construção do Data Center em Fortaleza que tem conclusão prevista para o final deste ano e a visão para a sua inserção no mercado brasileiro.

O Governo brasileiro aprovou um Fundo de apoio ao desenvolvimento de projectos de telecomunicações no país, estimado em 600 milhões de reais.

O data Center da Angola Cables em Fortaleza, é um projecto que se localiza no Parque Tecnológico da cidade cearense e que terá um forte impacto socioeconómico nas TIC e nos demais sectores da região estimando-se que possa contribuir para o PIB de serviços de Fortaleza em cerca de 1% em 2055, de um montante global estimado em 29,7 bilhões de reais.

O data Center da Angola Cables vai tornar-se num instrumento de atracção dos principais provedores de conteúdo, internet, empresas de telecomunicações e de outros grandes grupos económicos. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA