BPI dispara 10% com negociações entre CaixaBank e Isabel dos Santos

(Miguel Baltazar/Negócios)

O grupo catalão estará a negociar com a angolana Isabel dos Santos a aquisição da sua posição no banco, segundo a Bloomberg. As acções estão a reagir em forte alta, com os títulos a acelerarem 10%.

As acções do BPI seguem a negociar com uma valorização acentuada na bolsa de Lisboa, tendo já chegado a subir mais de 10%. A suportar os fortes ganhos está a notícia de que o CaixaBank, o maior accionista do BPI, estará a negociar com a angolana Isabel dos Santos a compra da sua posição no banco, o que obrigaria ao lançamento de uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre o restante capital.

O BPI segue a ganhar 9,45% para 1,17 euros, ma já esteve a subir um máximo de 10,20% para 1,178 euros, com os investidores confiantes num entendimento entre os maiores accionistas do banco.

A agência Bloomberg avançou esta terça-feira, 1 de Março, que o CaixaBank está a negociar com Isabel dos Santos a compra da posição de 18,58% que a empresária angolana tem no BPI através da Santoro Finance, mas também dos 2,28% detidos pelo Banco BIC.

A confirmar-se um acordo entre o CaixaBank e Isabel dos Santos, os espanhóis terão de lançar uma OPA sobre o restante capital do BPI, oferecendo um preço idêntico àquele que venha a ser acordado com a empresária angolana. Isto porque o maior accionista da instituição reforçaria a sua participação para cerca de 65%.

Esta tentativa de entendimento surge num momento em que o banco se encontra num impasse, com os dois maiores donos da instituição incapazes de chegar a uma solução para resolver o risco de exposição a Angola, sendo que, por imposição do Banco Central Europeu, o BPI terá que apresentar uma proposta para reduzir a exposição até ao dia 10 de Abril.

Se ficasse com a posição de Isabel dos Santos, o grupo catalão, que já tem 44,1% do BPI, teria condições para aprovar a cisão dos activos africanos do banco, a solução apadrinhada pelo BCE para o problema do excesso de exposição a Angola. (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA